Bispo Auxiliar do Porto visitou paróquia da Maia e a redação do Primeira Mão (2)

0
313
- Publicidade -

O bispo auxiliar do Porto, D. Pio Alves, esteve na passada semana em visita pastoral ao concelho da Maia, tendo sido recebido pelo presidente da Câmara, visitando ainda os estúdios da Rádio 5 e a redação do jornal Primeira Mão.

No dia 16 de janeiro, D. Pio Alves manteve uma reunião com o autarca António Silva Tiago, que decorreu na Quinta dos Cónegos, e que contou com a presença de diversas individualidades da paróquia e do município.

Já no dia 19, o bispo auxiliar visitou o Lar de Nazaré e também o grupo de comunicação Canal 5, que integra rádios da área do Grande Porto e de Lisboa e ainda o jornal Primeira Mão. Nestas visitas fez-se acompanhar do pároco da Maia, padre Domingos Jorge.

No Centro Social e Paroquial Lar de Nazaré, foi convidado a almoçar com os utentes, permitindo o contacto próximo e informal com os idosos e colaboradores da instituição.

Os utentes receberam o bispo com a atuação do grupo de cantares da casa “Avós de Nazaré”. O convidado foi ainda presenteado como alguns “miminhos” produzidos pelos utentes da instituição.

D.Pio Alves sublinhou desta visita pastoral “a recetividade e o carinho das pessoas que trabalham na paróquia e, de um modo muito especial (por ser menos expetável), por parte das diferentes entidades e instituições por onde temos passado por estes dias. É um sinal não só de respeito por parte das pessoas, mas em simultâneo, um sinal de que, independentemente daquilo que possam ser as suas legítimas opções culturais, religiosas, ideológicas, há um afeto e uma ligação à Igreja, que nós, às vezes, temos a tentação de pensar que não existe”.

Os outros dois bispos do Porto, D. António Taipa e D. António Augusto, visitam outras paróquias da Vigararia da Maia. Para D. Pio é um sinal para as instituições de que “não só não as esquecemos, mas que as valorizamos e que afirmamos, não só com palavras mas com obras, que é entre todos que temos que servir as mesmas populações, ainda que respeitando, cada um, o caminho da sua própria especificidade”, afirmou em entrevista concedida ao programa Praça da Liberdade, na Rádio 5, da autoria de Victor Dias.

A ausência de nomeação de um novo bispo para o Porto foi considerada normal por D. Pio Alves, que refere que, geralmente, estas nomeações podem demorar até alguns meses. O bispo percebe que existe por entre os católicos alguma expetativa e que, “desejavelmente, estes tempos deveriam encurtar-se”.

Acrescentou que “há procedimentos pelo meio que levam o seu tempo, que o desejável é que não houvesse quebras tão significativas. No caso da diocese do Porto há um bispo que está nomeado administrador diocesano (D. António Taipa) e dois bispos auxiliares, de qualquer modo, como manda a prudência, só se deve fazer o que se chama de gestão corrente”.

Questionado sobre o trabalho de âmbito social que existe no concelho da Maia e com o qual o bispo entrou em contacto, D. Pio Alves salientou a obra do Lar de Nazaré, que pertence à paróquia da Maia, ainda as respostas sociais da Misericórdia com um trabalho “de grande visível”, para além de todo “o apoio à comunidade prestado pelas conferências vicentinas, em articulação com outras instituições que têm por especial preocupação olhar para os mais desfavorecidos”.

Neste setor, “diz D. Pio Alves, a “paróquia está atenta a tudo o que são dificuldades fundamentais da sociedade, sintoniza-se com elas e procura dar respostas harmonizadas com outras instituições que estão no terreno articulando a sua ação”.

Estando de visita a um conjunto de órgãos de comunicação social, Victor Dias quis saber o que pensava o bispo deste mundo dos media nos dias de hoje. Numa altura em que a comunicação está “mais democratizada, em que qualquer pessoa tem o seu órgão de comunicação nas redes sociais”, os “meios de comunicação clássicos são fundamentais”.

E o bispo justifica: “as redes sociais trazem imensos problemas pela incapacidade da sociedade de responsabilizar quem usa esses meios indevidamente, por isso mesmo é fundamental que os órgãos de comunicação clássicos, onde a responsabilidade é identificada e nos quais o público se pode fiar, continuem a exercer a sua função, sempre no serviço às populações e no respeito à verdade”.

Bispo António Augusto Azevedo recebido pela autarca de Milheirós

Na mesma semana, também o bispo natural da Maia, António Augusto Azevedo, visitou a Junta de Freguesia de Milheirós. O bispo auxiliar do Porto foi recebido pela presidente Maria José Neves.

- Publicidade -