“100 escolas para a República” incluiu a Escola EB1/JI D. Manuel II (com vídeo)

0
921

A Maia foi um dos municípios escolhidos pelo Governo para a iniciativa “100 escolas para a República”, inserida nas comemorações do centenário da instauração da República.

Desta forma, coube ao secretário de Estado da Justiça e da Modernização Judiciária, José Magalhães, inaugurar a ampliação da Escola EB1/JI D. Manuel II, na freguesia de Vermoim. O edifício está inserido na Zona Desportiva Central da Maia, representando um investimento total de 1 milhão de euros, comparticipado em 40 por cento pelo QREN.

Dispõe de seis novas salas de aula, uma sala de professores, uma sala de alunos e um recreio com novo piso – antes era em terra. A ampliação permitiu a implementação do regime normal de funcionamento na escola. O número de alunos mantêm-se. Ou seja, 300 crianças frequentam o 1º ciclo e 75 o pré-escolar. “Em nome de uma educação de qualidade, todas as salas foram dotadas de quadros interactivos, computadores e outras ferramentas digitais. Para que as crianças se sintam bem a aprender e os professores se sintam motivados a ensinar, e desta forma, contribuir para o progresso da nossa Maia”, sublinhou o presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes.

José Magalhães, secretário de Estado da Justiça, sublinhou que a aposta em equipamentos de terceira geração, como o da Maia, é o caminho a seguir para uma maior qualificação dos portugueses. “Escolas deste tipo, de nova geração, não são apenas comunidades educativas onde há bons professores e alunos interessados. São escolas com ferramentas especiais do século XXI. Hoje, a rapidez com que temos que adquirir quadros mentais, para compreender o mundo e transformá-lo exige novas ferramentas. Esta escola tem essas ferramentas”, sublinhou.

Sendo a educação um dos “sonhos” da República, e apesar de se ter conseguido quase erradicar o analfabetismo em Portugal, José Magalhães lembrou a necessidade de continuar a “batalha pela literacia”. “Sem literacia não pode haver cultura e sem cultura não há compreensão do Mundo”. “A Maia está de parabéns”, sublinhou o Governante, pela “partilha de esforços” com a Direcção Regional de Educação do Norte e a Administração Central no sentido de resolver os problemas. Uma “lição” que nem todos souberam tirar da primeira República Portuguesa.

Fernanda Alves