Empresas devem incentivar a alternativas ao automóvel

0
132
- Publicidade -

A assunção do cartão Andante como um símbolo de identidade metropolitana foi defendida pelo Arqtº Avelino Oliveira, secretário metropolitano da Comissão Executiva Metropolitana do Porto, na intervenção que realizou no Auditório do TecMaia, aquando da sessão de esclarecimento “Planos de Mobilidade de Empresas e Pólos Geradores e Atratores de Deslocações”.

A ideia foi sensibilizar as empresas as empresas da AMP a dinamizarem os designados PMEP – Planos de Mobilidade de Empresas e Pólos geradores e atratores de deslocações.

Avelino Oliveira deu conta, no último dia 19, de que está em curso um estudo que colocará acessível em equipamentos móveis, como o telemóvel, aplicações que possibilitem o utente tirar o bilhete de metro ou autocarro na Área Metropolitana do Porto, ainda validar esse bilhete e ter acesso a informação real acerca do transporte urbano. A chave de todo esse processo deverá ser o cartão Andante.

Sofia Pires Bento, do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT), deu exemplos concretos de empresas que concretizaram planos de transporte para os seus colaboradores ou que deram determinadas condições para incrementar medidas como o carsharing, carpooling ou vanpooling – que permitem a racionalização do transporte individual -, ou ainda a promoção de “modos suaves ou cicláveis”, como por exemplo a disponibilização de condições de estacionamento para bicicletas e duches/balneários para ciclistas, entre muitas outras possibilidades. Basta haver vontade dos agentes económicos para concretizar a racionalização de transportes no meio urbano.

António Tiago quis abordar comunidade empresarial

O vice presidente da Câmara da Maia saudou o facto da “Área Metropolitana do Porto ter agora competências delegadas mas efetivas, particularmente no domínio de transporte coletivo de passageiros”. António Tiago considerou que estamos “no bom caminho para dar melhores respostas às necessidades” diárias no território metropolitano.

Entre as diversas ações da Semana Europeia da Mobilidade a que a Maia “de forma natural e lógica” se associou, António Tiago sublinhou que fez questão de “abordar o tema com a comunidade empresarial, procurando o seu envolvimento e consequente compromisso para os chamados PMEP”.

Da parte da autarquia, que emprega 1250 colaboradores, já foram tomadas decisões acerca de “plano de deslocações”. O objetivo da Câmara é “fomentar alternativas ao transporte individual motorizado em benefício de modos suaves e dos transportes públicos coletivos”, assumiu António Tiago.

Dia sem carros…viva a bicicleta

grupo-de-bicicleta01

A Maia aderiu à Semana Europeia da Mobilidade e ao Dia Internacional Sem Carros (dia 22) levando a cabo várias iniciativas de sensibilização de 16 a 22.

No dia 22, dedicado por vários municípios em toda a Europa à ausência de carros nas cidades ou em parte delas, a autarquia incentivou todos os seus funcionários a irem, nesse dia, a pé ou de bicicleta para o trabalho. O vice presidente deu o exemplo e foi trabalhar de bicicleta. António Tiago referiu que tratou “de limpar a bicicleta que estava arrumada há algum tempo”. E o percurso de casa até aos Paços do Concelho até foi simples, demorou cerca de seis minutos.

Depois da experiência positiva, seguida por alguns funcionários, a ideia é que muitos outros se juntem ao uso da bicicleta. Assim, o departamento de Recursos Humanos, sob a tutela da vereadora Marta Peneda, lançou a campanha permanente de oferecer um pequeno-almoço saudável a todo o funcionário que vá a pedalar para o trabalho. No final do ano, será contabilizado quem pedalou mais dias e premiado o ciclo-funcionário, distinguindo-o como exemplo para os colegas e atribuindo-lhe um prémio.

Paralelamente, nesta Semana da Mobilidade foram apresentadas as patrulhas de bicicleta da Polícia Municipal, que terão seis bicicletas para um policiamento de maior proximidade.

Angélica Santos

- Publicidade -