Adquirida área do Posto da BP Câmara poderá expandir Cidade Desportiva a nascente

0
391
imagem Angélica Santos
- Publicidade -

Posto de abastecimento da Av. D. Manuel II ia ser vendido a privados por 420 mil euros. Mas a Câmara Municipal da Maia, tendo tomado conhecimento da intenção da petrolífera BP, deliberou exercer o direito de preferência na compra para o património municipal, usando a faculdade conferida pela Lei de Bases da Política de Solos, de Ordenamento do Território e do Urbanismo.

A estação de serviço está instalada num lote de terreno, com área de 2.280 m2, que se encontra enquadrado, no plano Diretor Municipal, na Unidade Operativa de Planeamento e Gestão (UOPG 3.5) Zona Desportiva da Cidade da Maia.

Porém, esta é a única parcela de terreno da Zona Desportiva da Cidade que não é propriedade do Município. Além disso o lote em causa está ainda incluído na Área de Reabilitação Urbana (ARU) da Cidade da Maia.

Na proposta que apresentou à Câmara, para o exercício da preferência, o presidente da autarquia, Silva Tiago, invocou precisamente o interesse, que há muito existe, na aquisição do imóvel para a execução de operações de planeamento territorial e urbanístico da cidade, nomeadamente para usos que potenciem as atividades de recreio e lazer associadas à Cidade Desportiva e o preço ser vantajoso para o município, dado que o imóvel está avaliado em 450 mil euros.

É previsível que o posto de abastecimento se mantenha em funcionamento por mais um ano, findo o qual o lote de terreno deve ser entregue, livre de ónus e encargos, nomeadamente limpo dos depósitos e reservas de combustível existentes no local.

Este já era um anseio do presidente da Câmara da Maia há muito. Aliás, Silva Tiago revelou a intenção ao Primeira Mão numa reportagem em novembro de 2019. O edil disse na altura que pretendia que o município adquirisse esse terreno onde se encontra o posto de combustível, que era o único terreno da Cidade Desportiva da Maia que ainda não pertencia à Câmara: “Queremos tirar de lá a estação de serviço e fazer daquilo um espaço também da Cidade Desportiva da Maia”.

E adiantava à nossa reportagem de então a vontade de construir naquela área a nascente da Cidade Desportiva da Maia um hotel com um Centro de Congressos e um pavilhão multi-usos, “algo que a Maia não tem apesar de possuir 19 pavilhões gimnodesportivos”. E acrescentava: “seria a catedral dos pavilhões e que ainda não temos”.

Recordar declarações de Silva Tiago sobre Projetos de expansão para Cidade Desportiva da Maia:

- Publicidade -