Agricultura e ciência de mãos dadas

0
138

Arranca amanhã o curso BioHort@ no Parque de Ciência e Tecnologia e Tecnologia da Maia. É a primeira sessão de um curso que tem como objectivo a divulgação da cultura biológica, através de acções de formação dirigidas a toda a população e ministrados pela Fundação Biológic@.

Os cursos estão divididos entre este fim-de-semana e o próximo. Ao todo, as sessões vão durar 12 horas e vão permitir aos agricultores saber lidar com fertilizantes, divulgar técnicas de preparação do terreno e plantação, assim como dar a conhecer as limitações do meio natural e o equilíbrio do ecossistema.

O curso arranca amanhã numa horta improvisada dentro do TecMaia. Afectado pelo temporal que se abateu na Maia no passado fim-de-semana, o panorama não é o mais animador. No entanto, nada está perdido e prepara-se já a terra para novas plantações, embora não seja a primeira naquele local. No final de Outubro, a Fundação Biológic@ promoveu um curso de fruticultura, do qual resultou a plantação de várias árvores de fruto que, apesar das torrentes de água que invadiram a pequena horta, conseguiram sobreviver e ainda estão em pé. O local já está limpo para o curso que arranca amanhã.

A cultura biológica requer muitos cuidados. A responsável pelo BioHort@, Sofia Lobo, revela que as plantações biológicas precisam de "um conjunto de prevenções, técnicas e tratamentos" para que os agricultores possam ter "produtos com tamanho e qualidade".

Sofia Lobo espera uma boa adesão da população ao curso que vai ser ministrado a partir de amanhã, à semelhança do que aconteceu com a acção de formação dedicada à fruticultura, para a qual se inscreveram 17 pessoas. "Uma adesão razoável" de pessoas que "vieram de todo o país" para aprender a plantar um pequeno pomar.

O nome TecMaia pode, à primeira vista, ser sempre associado a novas tecnologias, electrónica, empresas de inovação tecnológica e indústrias de ponta. Uma horta pode parecer um contraste mas, de acordo com Sofia Lobo, não é assim, já que "plantar uma horta biológica tem muita ciência, não é como a agricultura empírica dos tempos passados. Incorpora todo um conjunto de conhecimentos científicos que foram sendo estudados ao longo dos tempos". A agricultura biológica é diferente, "porque não há uma única linha que se possa fazer, há inúmeras possibilidades em função dos terrenos e das culturas. Não é simples", revela Sofia Lobo.

Simples pode parecer uma horta… numa varanda. É essa uma das possibilidades de aprendizagem no curso "BioHorta na Varanda", também ministrado pela Fundação Biológic@. A responsável Sofia Lobo revela que "determinados condimentares e ervas aromáticas… e até alguns legumes podem ser plantados em floreiras ou em vasos". Esta vertente da agricultura foi criada a pensar naqueles que vivem nas grandes cidades e que não dispõem de um espaço para levar a cabo plantações de dimensão mais considerável. Os pedidos "têm sido muitos" e o início do curso está para breve e também terá lugar no TecMaia.