Alberto Ramalhão Vinhas: Uma vida dedicada à medicina (vídeo)

0
258


Dedicou a vida à medicina e à Maia. E mesmo com 86 anos, continua a dedicar. Alberto Ramalhão Vinhas ainda exerce a profissão em Nogueira da Maia e continua a abrir as portas do consultório médico onde, apesar da idade avançada, ainda recebe quem o procura. O médico que durante muitos anos serviu a Casa do Povo de Vermoim foi homenageado por esta instituição no passado sábado. Uma homenagem da qual o octogenário clínico não se acha merecedor e que o surpreendeu.

Embora o consultório do homenageado seja em Nogueira da Maia, a ligação mais forte é a Vermoim, onde chegou em 1955, pouco tempo depois de terminar o curso de Medicina e de ter feito uma breve passagem pelo antigo sanatório de Vila Nova de Gaia. Hoje, 55 anos depois, o clínico continua a ter “muito boa relação com as gentes da Maia”.
Apesar dos 86 anos, que Alberto Ramalhão Vinhas considera serem “pouquinhos anos”, e continua a trabalhar porque, diz o médico, “não sei fazer mais nada” e garante continuar “até não conseguir mais”. Porque para já, o octogenário médico assegura que se sente “muito bem” para continuar a exercer medicina.

Quanto à homenagem na Casa do Povo de Vermoim, Alberto Ramalhão Vinhas confessa que é um sinal de reconhecimento da população de Vermoim e mostra-se “lisonjeado com a atitude que tiveram”, mas conserva a humildade: “Não me passava pela cabeça ser homenageado, nem tão pouco me julgava merecedor de uma homenagem destas. Quando me falaram até fiquei um bocado surpreendido”. Como já foi dito, a ligação mais forte de Alberto Ramalhão Vinhas é a Vermoim, embora o consultório que ainda recebe pacientes seja em Nogueira da Maia. “Em Nogueira não são tão carinhosos comigo como são os da zona de Vermoim”, confessa.
O “futuro a Deus pertence”, diz o ditado e diz também Alberto Ramalhão Vinhas, que promete continuar a exercer medicina “enquanto o corpo deixar”. O consultório do médico continua de portas abertas, bem perto da estrada nacional 107, na Rua Manuel Silva Cruz, em Nogueira da Maia.

Pedro Póvoas