Alunos da Maia ajudaram a batizar um exoplaneta e uma estrela

0
355

Alunos do Agrupamento de Escolas do Castelo da Maia ajudaram a batizar um exoplaneta e uma estrela. A União Astronómica Internacional (IAU, na sigla em inglês) está a celebrar o 100º aniversário e numa iniciativa em 110 países promoveu campanhas nacionais para atribuírem nomes a exoplanetas e às suas estrelas hospedeiras.

Os resultados desta iniciativa, a IAU100 Name ExoWorlds (Dê Nome a ExoMundos, em português), foram anunciados numa conferência em Paris, que decorreu em dezembro passado.

Em Portugal, os nomes escolhidos foram Lusitânia (para a estrela) e Viriato (para o exoplaneta). Esta proposta partiu, de forma independente, de três escolas oriundas da Maia, de Braga e do Pombal.

Em Portugal, a iniciativa foi organizada pelo Núcleo Interativo de Astronomia (Nuclio) com o apoio da Sociedade Astronómica Portuguesa. Primeiro, 65 propostas de escolas, universidades ou clubes de astronomia foram recolhidas através de um formulário online.

Depois, o comité nacional do concurso – que seguiu a metodologia do comité da direção do IAU100 Name ExoWorlds – selecionou as oito melhores sugestões, que foram em seguida submetidas a votação.

Entre as opções de nomes estavam Boa Esperança e Adamastor; Lusa e Floripes; Lusíadas e Tongoenabiago; Lusitânia e Viriato; Nabia e Turiaco; Sagres e Astrolábio; Saudade e Fado​; ou Tágide e Caravela. Esta votação teve mais de 5000 votos.

Acabou por vencer Lusitânia (uma homenagem ao antigo nome da região Ocidental da Península Ibérica, onde está parte de Portugal) e Viriato (líder dos povos lusitanos). Os dois nomes foram propostos, de forma independente, pela Escola Secundária Carlos Amarante (em Braga) e pela Escola Básica Gualdim Pais (em Pombal). O Agrupamento de Escolas do Castelo da Maia sugeriu também a designação Lusitânia para a estrela.

Os nomes vencedores serão usados com a nomenclatura científica.
Para cada país escolheram estrelas brilhantes o suficiente para serem observadas através de pequenos telescópios nesses territórios. A Portugal, a IAU atribuiu o sistema planetário HD 45652, que se situa na constelação do Unicórnio a 117 anos-luz da Terra. A estrela é uma anã vermelha e o planeta extra-solar – o HD 45652 b – é um gigante gasoso com cerca de 47% da massa de Júpiter. Situado muito mais perto da sua estrela do que Júpiter do Sol, o HD 45652 b demora 44 dias para completar uma volta em redor da sua estrela. Este sistema foi descoberto em 2008 por uma equipa liderada por Nuno Santos, investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

“Observações astronómicas durante a última geração levaram já à descoberta de mais de 4000 exoplanetas em órbita de outras estrelas que não o Sol – os chamados exoplanetas”, afirmou Eric Mamajek, co-presidente do comité de direção do concurso NameExoWorlds.