Aniversário da Escola Gonçalo Mendes da Maia assinalado com inauguração de novo pólo escolar

1
234

A Escola Gonçalo Mendes da Maia comemora, este ano lectivo, os seus 40 anos. A data vai ser assinalada ao longo do ano lectivo, no entanto as comemorações arrancaram esta quinta-feira, com a inauguração do novo pólo escolar, obras de ampliação da escola e da nova cantina e com um encontro dos antigos e actuais alunos, professores e funcionários e com a abertura do novo ano escolar.

As cerimónias arrancaram logo pela manhã com o hastear da bandeira, a cerimónia de abertura do ano lectivo e a recepção dos convidados, dos antigos alunos e dos antigos professores. Seguiram-se os discursos, depois o “corte” da fita para assinalar a abertura do pólo escolar, a inauguração de uma exposição de pintura e escultura de professores e para encerrar foi servido um almoço.

O novo pólo escolar inclui 12 novas salas, entre as quais quatro são salas de aulas normais, salas de educação visual, uma sala de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), uma sala de físico-química, uma sala de ciências, um auditório e um ginásio. De acordo com o director do Agrupamento de Escolas Gonçalo Mendes da Maia o espaço já está “completamente” ocupado. “Já está a trabalhar desde que nos foi entregue porque era mesmo uma necessidade que existia”. Mas António Carneiro adianta que precisam “continuar” a insistir com o Ministério da Educação para “a requalificação do resto da escola”. “Este edifício tem 30 anos em que nunca ninguém mexeu a não ser de há três anos para cá”. Agora, acrescenta, é preciso requalificar os restantes edifícios do estabelecimento de ensino “que estão bastante degradados”.

Quando essa requalificação acontecer, António Carneiro garante que ficarão “com condições para fazer um bom trabalho”. Isto porque não acredita que a população estudantil esteja a aumentar ainda muitos anos. Este ano, o agrupamento conta com cerca de 2500 alunos, dos quais 1250 são alunos do 2º e 3º ciclo.

Para além desta nova construção, a escola sofreu ainda pequenas intervenções, nomeadamente no refeitório, na cantina e na cozinha e viu requalificado um pavilhão que tinha apenas duas salas e que agora fica com três “boas” salas para trabalharem com os alunos. “São pequenas requalificações mas que eram absolutamente necessárias”, referiu o director.

Esta quinta-feira receberam os pais dos meninos do 5º ano, alunos que depois, acompanhados pelos directores de turma ficaram a conhecer a escola e os professores. “Estamo-nos a preparar para que o ano decorra com a maior normalidade possível”.

Quanto ao ano lectivo, que arrancou hoje com a recepção aos alunos, António Carneiro garante que está tudo a postos para que arranque com tranquilidade. Os professores poderão não estar todos colocados, no entanto, garante que “não é nada de significativo”. “Não vai haver nenhum problema. Está tudo em ordem. Haverá um ou outro horário por preencher, mas é residual e nós mesmos iremos tratar de o ocupar sem problemas nenhuns”, afirmou.

DREN elogia

O director regional adjunto da Direcção Regional de Educação do Norte, António Leite, louvou a ideia do estabelecimento de ensino de chamar os antigos professores, estudantes e funcionários porque “nada melhor do que a memória humana para construir o futuro”. Um futuro que, acrescentou, passa pela escola porque é esta que cabe garantir o direito à educação.

Mas para garantir o sucesso, acrescentou o responsável, “´é preciso combater o abandono, alargar a escolaridade e trazer à escola aqueles que aqui, em outros tempos, não foram bem sucedidos”.

António Leite assume que é preciso requalificar muitos dos estabelecimentos de ensino em Portugal e apontou a Câmara Municipal da Maia como um bom exemplo “de como criar condições e conforto para os professores e para os alunos”. Pretendem fazer mais, fazer melhor e fazer mais depressa mas isso “só será possível com a descentralização e com funções alocadas às escolas e às autarquias”, referiu

No que toca à educação, garante o presidente Bragança Fernandes que a Câmara Municipal da Maia tem feito um “verdadeiro esforço” para melhorar. E para exemplificar apontou os 35 equipamentos escolares que estão a ser feitos de raíz ou a ser recuperados. “Os jovens são o futuro e para eles devemos criar as melhores condições”.

Recordando que em 1970 Portugal apresentava um atraso de cerca de 150 anos em relação à Noruega, e que apesar de não estar ainda no mesmo patamar, António Leite acredita que a educação em Portugal, nos últimos 30 anos, “mudou muito”. No entanto, considera que o combate ao insucesso só será possível com um compromisso assumido por todos e não apenas pelas escolas.

Isabel Fernandes Moreira

1 COMENTÁRIO

  1. Esta noticia e uma vergonha.

    Entao nao e que estiveram la todos a curtar fitas e uma almocarada e esqueceram-se de comecar o ano lectivo esta semana?

    Alguem esta preocupado com as condicoes em que vao estar os alunos nos contentores durante o decurso das aulas.

    Alguem perguntou aos senhores que estiveram la porque razao as obras estiveram paradas em Agosto, e agora esta-se a refrectir no arranque do ano escolar.

    O Professor Carneiro gosta muito de ficar bem na foto, juntamente com o Sr. Presidente da Camara mas pouco ou nada tem feito a nivel de obras no ambito das suas competencias como Presidente do Grupo Escolar. Seria bom recordar o que aconteceu aqui a alguns anos com as obras da Escola Primaria Cidade Jardim.

    As pessoas tem a memoria curta e e uma vergonha que as pessoas em tempo de pre-campanha eleitoral aproveitem tudo o que esta a mao e incompleto para aparecer no retrato, quando nao merecem nem se quer o cargo para que foram eleitas pelo povo.

    Publiquem

Comments are closed.