Após a conclusão do concurso obra de troço da variante à EN14 demorará 9 meses

0
221
- Publicidade -

A cerimónia de lançamento do concurso público para a construção do troço da Variante à EN14 entre o nó do Jumbo e a Via Diagonal, promovido pela Infraestruturas de Portugal, aconteceu no passado dia 10, na Câmara Municipal da Maia, na mesma ocasião em que o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, visitou o município. “É ainda apenas um primeiro passo, um ato formal, mas que tem significado”, afirmou o vice presidente da Câmara à reportagem do Primeira Mão.

Segundo a Infraestruturas de Portugal, a empreitada terá um preço base de seis milhões de euros, tendo como principal objetivo a melhoria das acessibilidades ao serviço da população e tecido empresarial do concelho da Maia.

António Tiago afirmou que se trata de “concretizar a satisfação de um anseio que os maiatos há muito vinham reivindicando e pelo qual a Câmara Municipal sempre se bateu.

O meu desejo é que se conclua a obra dentro dos prazos previstos, pois como todos bem sabemos, é uma obra que tem uma importância muito grande para a economia local, mas também, e muito, para a economia regional e nacional.

O Estado é uma pessoa de bem e como tal, ficamos confiantes que a obra será uma realidade dentro do prazo estimado, mas como sempre, vamos manter-nos atentos e proativamente interventivos”, afiançou o vice presidente da autarquia.

Já em maio, aquando da inauguração do Complexo Desportivo do ISMAI, o primeiro ministro tinha avançado com a notícia de que a obra ia avançar em breve.

O atual traçado da EN14 não corresponde com eficiência às presentes exigências de qualidade de serviço de empresas e particulares, com elevado volume de tráfego, nomeadamente de veículos pesados, resultante do crescente desenvolvimento urbano e industrial do território.

A empreitada, agora em fase de concurso, tem um prazo de execução de nove meses e compreende, entre outros trabalhos, a execução de uma plataforma rodoviária constituída por uma via por sentido com 3,50 metros de largura, mais 1,50 metros de berma; a construção de quatro rotundas, garantindo a ligação com a rede viária local existente, onde se destaca a reformulação do nó do Jumbo e a construção do nó com a Via Diagonal; a execução de restabelecimentos à rede viária local através da reposição de arruamentos; a construção de duas passagens superiores.

PCP questiona governo sobre variante à EN14

O grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República, onde se inclui a deputada da Maia, Ana Virgínia Pereira, pediu mais esclarecimentos ao governo sobre o projeto global da variante à EN14.

Os comunistas referem que numa resposta do ministro do Planeamento e Infraestruturas (a uma questão interposta pela bancada do PCP) em maio foi referido que o montante do investimento é de 42,47 milhões de euros.

Os deputados não percebem porque é que nas notícias do lançamento do concurso para o troço do nó do Jumbo à Via Diagonal é referido o valor de seis milhões de euros.

No passado dia 14, na Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, o ministro apenas referiu que houve confusão por parte dos deputados.

Assim, o grupo parlamentar do PCP resolveu voltar a enviar um requerimento no dia 17 de julho com novas perguntas ao ministro, nomeadamente se a anunciada obra na Maia e a duplicação da via no concelho de Vila Nova de Famalicão “significam o abandono da construção da variante poente à nacional 14. O requerimento inclui ainda as perguntas sobre a calendarização da empreitada da variante à Nacional 14 e quais “os montantes que irão ser inscritos no orçamento de estado para 2018 para a construção desta variante”.

- Publicidade -