Arroteia com paragem da linha de Leixões

0
248

Mais um avanço no que toca à linha de Leixões. Depois de decidido o transporte de passageiros, já a partir de Setembro, surge agora a notícia de novas paragens do serviço. Uma delas será criada na imediações do Hospital de S. João, no Porto, e a outra em Leça do Balio, tudo indica que junto à Efacec.

A notícia foi ontem avançada pela agência Lusa, mas a Câmara Municipal da Maia diz que peca por “tardia”. É que, se o serviço de transporte de passageiros na linha de Leixões arranca já em Setembro deste ano, as anunciadas paragens só entram em funcionamento em 2010. E sabem a pouco…

Quanto às localizações das paragens a entrar em funcionamento no próximo ano, o autarca maiato recorda que a da Arroteia foi uma proposta da câmara, tendo em conta que o projecto inicial do transporte de passageiros só contemplava, no concelho, a paragem do serviço em S. Gemil, na freguesia de Águas Santas.

Considera Bragança Fernandes que esta paragem na Arroteia servirá também para fazer a ligação com a linha Amarela do Metro do Porto, que vai servir esta zona do concelho, embora ainda sem datas definidas para a construção. Nesse sentido, será criado um percurso pedonal com cerca de 200 metros, até à estação do Hospital de S. João.

E se, por um lado, se mostra satisfeito com este pedido atendido, o edil reclama mais para o concelho. Em particular, mais duas estações já sugeridas à Refer durante uma reunião que decorreu na Câmara da Maia, em Junho:

[audio:ESTACOES_BF.mp3]

Na mesma reunião, os responsáveis “disseram que os nossos pedidos iam ser equacionados e analisados futuramente”, acrescenta. Esse futuro passa pela segunda fase do projecto, ainda sem data definida e que deverá acarretar um investimento mínimo de dez milhões de euros. O valor foi adiantado, também à Lusa, por Alberto Ribeiro, administrador da Refer.

Bragança Fernandes entende que estas paragens já poderiam ter sido contempladas no arranque do serviço de transporte de passageiros, se a autarquia tivesse sido ouvida no processo. A este propósito, o presidente da Câmara da Maia reitera as críticas ao Governo, afirmando que “não foi nada correcto da parte da secretária de Estado, porque a linha passa em Matosinhos, mas também na Maia e em Valongo”.

Acontece que os protocolos celebrados a 22 de Maio envolveram apenas a Câmara Municipal de Matosinhos, a CP – Comboios de Portugal, a Refer – Rede Ferroviária Nacional e a Administração dos Portos do Douro e Leixões. Abrem caminho ao regresso da circulação de comboios de passageiros na linha de Leixões, há 43 anos apenas usada para transporte de mercadorias.

Marta Costa