Associação de Pais do JI Barroso queixam-se de falta de diálogo no que respeita ao encerramento

0
303
Escola

A Associação de Pais do jardim de infância de Barroso, em Nogueira e Silva Escura, manifestou preocupação com a forma como o ACES Maia/Valongo lidou com o fecho do estabelecimento de ensino, após um caso positivo de COvid19 numa funcionária. Em declarações à agência Lusa, a associação de pais manifestou “preocupação” com “a ausência de diálogo” entre os responsáveis escolares e os encarregados de educação.

Este infantário reúne 70 crianças (3 aos 5 anos) em três salas e foi encerrado na segunda-feira. De acordo com o documento do ACES Maia/Valongo divulgado pela Agência Lusa: “Tendo sido diagnosticado um caso de covid-19 numa funcionária da instituição, e após efetuada a avaliação de risco dos contactos mais próximos deste caso, as crianças que frequentam o infantário terão de ficar em isolamento profilático até 01 de novembro inclusive”.

No mesmo documento do ACES é pedido que a informação seja enviada aos encarregados de educação dos alunos a quem foi determinado o isolamento, para que estes tenham “uma especial atenção ao surgimento de sintomas, nomeadamente tosse persistente, dor de garganta, dor de cabeça, dor no corpo, perda de cheiro, perda de paladar, arrepios de frio, falta de ar, febre, diarreia, ou outros”.

A associação de pais referiu à Lusa: “limitaram-se a comunicar através de um grupo no ‘whatsapp’. Na segunda-feira, alguns dos pais estavam à porta da escola a deixar os filhos porque não tinham informação, nem tinham lido qualquer documento ou visto qualquer mensagem”.

“À comunidade escolar só lhes ficava bem ser transparente. Pelo menos para conforto dos pais”, acrescentou.

A agência Lusa contactou o Agrupamento de Escolas Levante da Maia para solicitar esclarecimentos, mas até ao momento não obteve resposta. “A autarquia está a acompanhar o evoluir da situação”.