Autarca quer ligar a EN14, junto à Decathlon, à EN13, junto à Sonae

0
161

Já está aberta ao trânsito, a Avenida do Eng. José Afonso Moreira de Figueiredo, um troço da Via Periférica entre a zona do Requeixo e a Rua do Cavaco, na freguesia de Vermoim. A inauguração aconteceu no passado sábado e contou com a presença da família daquele que foi o primeiro engenheiro a chegar à Câmara Municipal da Maia.

Para o presidente da Junta de Freguesia de Vermoim, Aloísio Nogueira, é a concretização de “um longo anseio” para a freguesia, que “vai contribuir em muito para melhorar as acessibilidades da zona”, afirma.
O autarca de Vermoim não deixou de lamentar é que a nova via fique precisamente do lado oposto, mas que dê acesso à A41, onde o Governo vai começar a cobrar portagem a partir do dia 15 de Outubro. “Vamos pagar se não houver coragem para desobedecer”, concluiu.

A obra, que tem um valor de um milhão e 100 mil euros, surgiu de uma parceria com uma imobiliária que pretendia fazer um loteamento para construção. “Eles quiseram construir e tinham que fazer o acesso ao loteamento e nós aproveitamos a infraestrutura e decidimos fazer já a avenida de vez, comparticipando a nossa parte”, justifica o presidente da Câmara, Bragança Fernandes.

Até ao final do seu mandato, o autarca da Maia gostava de ver concluída toda a Via Periférica, que pretende ligar a Estrada Nacional 14, junto à Decathlon à Estrada Nacional 13, junto à sede da Sonae. Seria uma forma de aliviar o trânsito no centro da cidade e evitar os troços da A41 com portagem, dentro do concelho da Maia. Nesta altura, refere Bragança Fernandes, estão ainda a negociar alguns terrenos para concretizar esse projecto.

Com a abertura desta avenida, fica concluído um troço até à rua do Cavaco, onde a autarquia está já a negociar terrenos para dar continuidade. “Aquilo que eu espero é abrir até Santo Condestável porque já há um troço pronto, falta pavimentar e estamos em processo de negociação em outros locais, mas o terrenos são muito caros e estamos a tentar resolver o diferendo no que respeita aos valores”, afirma Bragança Fernandes.

José Afonso Moreira de Figueiredo terminou o curso de engenharia e, no dia seguinte, começou a trabalhar na Câmara Municipal da Maia, que foi o seu empregador durante 43 anos. “Foi uma figura importante do nosso concelho, foi o pulsar do concelho, era um homem respeitado e muito correcto”, afirmou o presidente da Câmara Municipal da Maia. Foi também um dos elementos fundadores da Santa Casa da Misericórdia da Maia.

A cerimónia de inauguração contou com a presença dos filhos, netos e bisneta do engenheiro, que não esconderam a emoção. Com a voz embargada, Eurico Pais de Figueiredo só conseguiu pronunciar uma expressão que lhe foi transmitida pelo pai: “Bem haja”. A discurso da família coube a Luís Pais de Figueiredo que agradeceu o gesto. “Senti como se toda a Maia lhe estivesse a dar um longo e apertado abraço”, definiu.

Isabel Fernandes Moreira