Camiões sem alternativa às SCUT

1
296
- Publicidade -

No dia de mais um buzinão contra as portagens, que decorre por esta hora na Rotunda AEP, no Porto, um grupo de transportadores fez uma viagem pelo que dizem ser a alternativa à auto-estrada A41 para o percurso entre Alfena (Estrada Nacional 105) e a  Maia (Estrada Nacional 107). Concluíram que não há verdadeira alternativa, já que o traçado das vias “não está previsto para veículos pesados”.

Nesse percurso, encontraram dificuldades para entrar e sair de rotundas e ainda se viram obrigados a transgredir, devido à quantidade de veículos estacionados em zonas com linha contínua.

Os  transportadores lembram que a Maia “é atravessada diariamente por milhares de camiões, que não têm por onde circular”. falam em 3500 por dia, no nó da EN 13 / EN 14 e outros 2600 que circulam, todos os dias, desde o nó da EN 14 ao Nó de Nogueira.

Mas não é só na Maia, admitem, estendendo os problemas a outras estradas apontadas como alternativa às SCUT, que começam a ser portajadas na sexta-feira.

- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. Proponho que a CM Maia proiba o trânsito de veículos pesados de mercadorias no percurso da antiga EN 107 (que agora é via municipal), excepto para cargas e descargas. Instrua-se a Polícia Municipal a verificar as guias de transporte para determinar se,efectivamente, a carga foi carregada ou vai ser descarregada na Maia. É uma forma legal de impedir o decréscimo de qualidade de vida das populações que se verão, de um dia para o outro, afectadas pela poluição (sonora e do ar) e pelas vibrações transmitidas aos edifícios pela circulação dos pesados em vias de cariz eminentemente residencial. E é uma forma de combater a surdez do nosso governo perante as nossas razões. Relembro que o antigo IC24, na Maia, foi construído com dinheiros do estado, muito antes de ser (estranhamente) incluído na concessão da Ascendi. Temos o direito de circular nesta via sem pagar, bem como, e mais importante, de que o trânsito de mercadorias se processe por aí, em vez pelo meio das nossas zonas residenciais.

Comments are closed.