Cavaco Silva não poupou elogios ao Centro Escolar de Gueifães/Vermoim (com vídeo)

4
170

“O país precisa é de uma escola de excelência e este equipamento oferece tudo aquilo que é preciso para a qualidade e a excelência do ensino”. A afirmação é do Presidente da República, Cavaco Silva, que hoje, ao final da tarde, inaugurou na Maia o Centro Escolar de Gueifães/Vermoim. O novo equipamento custou 4,7 milhões de euros.

Depois de ter ouvido os Pequenos Cantores da Maia e ter assistido à largada de balões feita pelos alunos do estabelecimento de ensino, na companhia do presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, Cavaco Silva descerrou a placa alusiva ao acto. O pároco de Gueifães, Orlando Santos, benzeu o espaço e a comitiva passou à visita do novo estabelecimento de ensino, onde Cavaco Silva interagiu com os alunos. Primeiro, com os do 4º ano de escolaridade e, depois, com alunos do jardim-de-infância, que lhe ofereceram um desenho.

Já durante o discurso oficial, Cavaco Silva afirmou que foi com “uma satisfação particular” que regressou à Maia, um município a que não poupou elogios e que, em seu entender, se renovou “profundamente nos últimos 30 anos”. “Um concelho que teve talento e sabedoria para aproveitar as oportunidades”, acrescentou.

A inauguração acontece quando já passa quase um mês desde o início do ano lectivo, que tem decorrido sem contratempos de maior nos novos centros escolares, em especial no de Gueifães/Vermoim. Pelo menos é essa a opinião das entidades responsáveis, Agrupamento de Escolas de Gueifães e autarquia. “Um balanço muito positivo” faz o presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, que lembra a construção de “três novas escolas de raiz” e recorda a requalificação de outras 14 escolas. E se por acaso as obras demoraram, a culpa é dos empreiteiros, diz o edil. Queixa-se também do atraso na “chegada” das verbas do QREN, que têm de ser suportados pela autarquia. “A câmara substitui-se ao Estado nestes casos, temos de entrar com o dinheiro para os empreiteiros não pararem as obras”.

Tudo “ok” em Gueifães. Pelo menos é essa a garantia do responsável pela autarquia maiata. De resto, Bragança Fernandes diz desconhecer outros problemas e garante que a Maia “tem três grandes novas escolas”. Revela também que não têm existido queixas e que tem sido felicitado pelos encarregados de educação.

Um balanço positivo faz também o director do agrupamento de escolas de Gueifães, Rui Duarte, apesar “do auto de entrega do novo equipamento escolar ter sido feito no dia de arranque do ano lectivo”. Mesmo à justa, “mas numas condições bastante razoáveis”, acrescenta o responsável. “Há sempre uma coisa que falha, um atraso, mas no geral não houve constrangimentos de maior”.

Características

Trata-se de uma construção de raiz, com uma área total de 2730 metros quadrados, edificado num terreno com 5800 metros quadrados.

O edifício foi concebido de acordo com as exigências funcionais da DREN. É composto por três salas de jardim-de-infância, com capacidade para 60 meninos; 16 salas de EB1, com capacidade para 400 alunos; sala de informática; biblioteca; cozinha; refeitório; polivalente, sala de professores com gabinete de trabalho e sala de educação plástica. O polidesportivo exterior de dimensões regulamentares para todas as modalidades, com balneários, servirá de apoio fora do horário escolar, à população local.

Destaque ainda para a preocupação ambiental. Foi instalado um sistema mecânico de renovação de ar, garantindo a qualidade do ar interior no edifício. O aquecimento da água é feito recorrendo a painéis solares. Foi instalado um sistema de reutilização de águas pluviais, que são recolhidas numa cisterna, tratadas e reutilizadas na rede interna de descarga das sanitas e nas águas de limpeza exterior e regas dos espaços ajardinados. O aquecimento do ar interior é feito através de convectores eléctricos de baixo consumo, que são activados no período nocturno, em que o custo da energia é inferior, libertando calor o restante período do dia sem consumo eléctrico.

Isabel Fernandes Moreira e Pedro Póvoas

Veja a reportagem vídeo:

4 COMENTÁRIOS

  1. Pena é que a qualidade e a excelência encontradas no Centro Escolar de Gueifães-Vermoim e tão proclamadas pelo Presidente da República, no seu discurso inaugural, ainda não estejam patentes no Centro Escolar da Maia, passadas que são 5 semanas do arranque do ano escolar. Para melhor esclarecimento, aconselho leitura atenta da rubrica: Centro Escolar da Maia Estação motiva queixas.

  2. Concordo com a Mãe e Encarregada de Educação Dª Marta Martins, que assim como Ela estou preocupada com o espaço onde o meu filho passa parte do dia, sem segurança e sem condições. Enquanto no Centro Escolar de Vermoim Gueifães se largam balões, aqui pela Maia Estação vemos as crianças a irem de ambulância para o Hospital. E para o Sr. Presidente Bragança Fernandes é tudo normal…

  3. Como é habitual no nosso País, só são tornados visíveis os casos “cor-de-rosa”, que tão convenientemente camuflam a realidade. Parabéns à Autarquia pelo novo Centro Escolar Vermoim/Gueifães!
    Temos pena que o Centro Escolar Maia-Estação continue envolto numa autêntica nuvem de pó! As acessibilidades geram um mau estar que aumenta diariamente, e envolve toda a comunidade escolar e residentes.E qualquer dia, queixas haverá do próprio INEM que não consegue chegar ao portão da escola para socorrer os meninos que sofrem acidentes, pela escolha negligente de um piso para o recreio (muito bonito sim senhor!), mas que coloca inúmeras reservas em questões de segurança!
    Senhor Presidente da Cãmara, os “pequenos bibelots”, apesar de pequenos como os adjectiva, “também partem”!
    E mais, como refere a Exmaª D.Isabel Ferreira, o que é feito da Associação de Pais, será que se enganaram na leitura do novo calendário escolar, e pensam que “ainda estamos de férias”? Será que estão mais preocupados em diligenciar a sua continuidade como Associação? Dá jeito, pois dá!
    Tenham vergonha! Se pretendem, como tão acerrimamente têm defendido, defender os interesses dos Pais e Encarregados de Educação das duas Escolas (Maia Sede e Maia estação), “metam pernas ao caminho”! Nos último ano, nem os interesses dos Pais de uma Escola (Maia Sede) conseguiram defender, como “ousam” representar as duas!
    Tenham a certeza de que, ao contrário da ideia que pretendem passar, de que apenas um grupo restrito de Pais se queixa, há muitos (mesmo muitos) MUITO ATENTOS!
    Em complemento desta pouca vergonha, aconselho a leitura atenta da notícia “Centro Escolar da Maia Estação motiva queixas”

  4. Neste vosso artigo leio que o Engº Bragança Fernandes “diz desconhecer outros problemas” mais à frente “Revela também que não têm existido queixas e que tem sido felicitado pelos encarregados de educação”.
    Perante esta afirmação só me resta deduzir que a informação que passam ao Engº Bragança Fernandes não é fiável, pois existem inúmeros problemas em várias escolas. Na escola EB1 do Corim, EB1 da Pícua, EB1 / II da Gandra só para falar das que conheço melhor os problemas.
    O atraso na dotação das mesmas segundo o vereador da educação Dr. Nogueira dos Santos – está motivado pela falta de capacidade de resposta por parte da empresa a quem foi adjudicada a compra dos equipamentos e que a única solução era esperar – Mas então não é verificada a capacidade de resposta da empresa antes da adjudicação? Perante esta falha, vai ser penalizada?
    Seguramente e perante os elogios de Sua Excelência o Senhor Presidente da República, nesta escola nada faltou e devia estar um “brinquinho”.

Comments are closed.