Centro de Convívio cria “bem-estar” em S. Pedro Fins

0
119

Um espaço para “combater a solidão que ainda assola parte da nossa população”, para proporcionar “alegria” e “bem-estar”. Assim descreveram algumas cidadãs os sentimentos associados à inauguração do Centro de Convívio de S. Pedro Fins, num poema intitulado “Agradecimento”, lido no arranque da cerimónia do passado sábado. Já depois do momento litúrgico, a cargo do Diácono Jorge, em representação do Padre Aurélio.

Tudo isto decorreu no edifício que serviu de sede da Junta de Freguesia de S. Pedro Fins durante 55 anos. Deixou de o ser há cerca de quatro anos, aquando da inauguração do Centro Cívico de S. Pedro Fins, altura em que o presidente, Joaquim Marques Gonçalves, anunciou a intenção de reconverter o velho edifício.

De plano passou a realidade, graças à aprovação de uma candidatura que garantiu a comparticipação da obra em 25 por cento, no âmbito do Plano de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC). Um acordo com a Câmara da Maia garantiu mais 60 por cento do valor orçamentado, cabendo à junta financiar a intervenção em 15 por cento. A obra, que se prolongou por pouco mais de um ano, custou cerca de 250 mil euros.

Para melhorar ainda mais a resposta que este Centro de Convívio de S. Pedro Fins pode dar à população, o presidente da junta de freguesia pediu “ajuda” à Câmara da Maia para a aquisição de uma carrinha que assegure o transporte.

A pensar no futuro, Marques Gonçalves anunciou estar já a planear com os presidente e vice-presidentes da autarquia, Bragança Fernandes e António da Silva Tiago, o destino a dar às propriedades denominadas “Casa do Bispo” (de D. José Alves Correia da Silva), adquiridas pela câmara municipal por 250 mil euros. Acrescentou o presidente da autarquia maiata que estão a ser encetados esforços “para, mais uma vez, se substituir ao Estado”. A intenção é requalificar o espaço, avançar para a cedência ao Ministério da Saúde para ali construir uma unidade de saúde que sirva S. Pedro Fins, mas também as freguesias de Folgosa e Silva Escura.

Marta Costa

(Notícia a desenvolver na edição de sexta-feira de Primeira Mão)