Combustíveis: Supermercados são os três primeiros mais baratos (mapa)

0
272


Três dos cinco pontos de abastecimento de combustíveis mais baratos do concelho da Maia são propriedade de hipermercados, confirmando uma tendência dos últimos anos.

Atendendo aos dados de quarta-feira da Direcção Geral da Energia, na área do município da Maia, o Continente Maia Jardim é o que vende os combustíveis comuns (gasolina e gasóleo) mais económicos. Segue-se o Jumbo da Maia e o Jumbo de Matosinhos, cujo posto se localiza próximo do aeroporto. O primeiro ponto de venda fora destas unidades é o Azoria Espinhosa, na EN14. O Prio Maia Via Diagonal é o quinto mais económico.

No panorama nacional, os dados da Autoridade da Concorrência são claros e mostram que a diferença de preços dos combustíveis aplicados entre os postos de abastecimento de empresas petrolíferas e os disponibilizados por supermercados nunca foi tão elevada. O relatório de “acompanhamento dos mercados de combustíveis líquidos e gás engarrafado”, relativo ao último trimestre de 2009, publicado esta semana, revela que, por cada litro de combustíveis um cliente que abasteceu o depósito num posto de um supermercado gastou menos 11,8 cêntimos, em média.

São os “diferenciais trimestrais médios mais elevados de que há registo”, assinala a Autoridade da Concorrência (AC). No final de 2008, o diferencial de preços situou-se em 8,8 cêntimos por litro de gasolina sem chumbo 95 octanas e em 9,0 cêntimos por litro de gasóleo. Assim, no espaço temporal de um ano, o diferencial de preços praticados na gasolina aumentou três cêntimos por cada litro, e 2,8 cêntimos no gasóleo.

E porque ocorre esta diferença de preços? A instituição refere que tal deve-se à “diferença” de “estratégia” entre as petrolíferas e os postos de abastecimento geridos pelos supermercados. Concretizando: “As empresas petrolíferas tendem a praticar preços semelhantes entre elas apresentando níveis de preços menos competitivos do que os dos postos de cadeias de supermercados e apostando na localização, diferenciação dos produtos e dos serviços e em estratégias de fidelização”. Por seu lado, “os supermercados, por sua vez, praticam os preços mais baixos na venda a retalho de combustíveis procurando gerar um elevado volume de tráfego junto das suas superfícies comerciais”.