Cruz Vermelha da Maia integra plano de contingência para o novo coronavírus

0
1622
imagem de arquivo

Atribuído à Cruz Vermelha da Maia o transporte de infetados com coronavírus no distrito do Porto.

A Cruz Vermelha da Maia vai ficar com a responsabilidade de fazer os transportes de pessoas suspeitas de estarem infetadas com o novo coronavírus.

De acordo com o responsável pela delegação maiata, José Ferreira, já foi “alocada uma ambulância” exclusivamente para esse serviço, que estará de prevenção 24 sobre 24 horas. E ainda esta noite de sexta-feira, a Cruz Vermelha vai dar formação, na sua sede na Maia, aos socorristas e colaboradores, a “quem se irá entregar material próprio para a prevenção da doença”.

A Cruz Vermelha nacional, em colaboração com a Direção Geral de Saúde, disponibilizou-se para ficar de prontidão nos vários pontos do país, em especial as delegações próximas de aeroportos, que terão de estar preparadas para acudir a um eventual agravamento do surto.

Assim, a Cruz Vermelha da Maia vai ficar responsável pelos transportes de doentes no distrito do Porto, a delegação do Seixal vai ficar de prontidão na região de Lisboa e, em Faro, será a delegação da sede daquele distrito.

Segundo José Ferreira, a delegação da Cruz Vermelha da Maia vai trabalhar “em articulação com o INEM”, de acordo com as diretrizes da Direção Geral de Saúde.

O pessoal da Cruz Vermelha vai ser informado de cuidados preventivos a ter, em particular, em termos de desinfeção, já que “todo o espaço físico tem que ser cuidadosamente desinfetado com materiais próprios, quer a ambulância, quer o espaço onde ela permaneceu”.

Além da proximidade do aeroporto Francisco Sá Carneiro, a Cruz Vermelha da Maia foi escolhida para este plano de contingência preventivo do novo coronavírus devido “a possuir equipamentos adequados, foi levado em linha de conta o número de ambulâncias, porque temos a capacidade para disponibilizar uma ambulância 24 sobre 24 horas para este fim”, sublinhou José Ferreira.

O plano foi acionado, mas não é conhecido o seu limite de duração, tudo dependerá do impacto que o vírus tiver no nosso país.

Até ao momento em Portugal não há qualquer caso de internados que tenham dado positivo de infeção com o vírus Covid-19.