Duas linhas de Metro para a Maia e a linha da Trofa (híbrida) asseguradas na expansão da rede metropolitana

0
765
imagem ASantos

Do encontro que serviu para abordar a expansão da rede do Metro do Porto, entre o presidente do Conselho Metropolitano do Porto e o autarca da Maia, Silva Tiago assegurou duas importantes ligações para a Maia de metro ligeiro. Afinal, a ligação híbrida de metrobus irá apenas acontecer no prolongamento da linha desde o ISMAI até à Trofa.

O presidente da Câmara da Maia, Silva Tiago, reuniu hoje com o presidente do Conselho Metropolitano do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues, num almoço que decorreu na Quinta dos Cónegos.

Esta novidade quanto às duas linhas da Maia na expansão da rede do Metro é uma importante notícia para os maiatos. “Esta é uma excelente notícia para os maiatos, algo pelo qual vou continuar a lutar. Tenho a convicção que nós merecemos e temos o direito de ser contemplados com esta expansão do Metro, como no passado fomos, aquando da governação do Prof. José Vieira de Carvalho”, explicou Silva Tiago.

O autarca explicou ainda: “A Maia vai ter uma linha de metro ligeiro desde a Estação Os Verdes (linha da Póvoa), que faz a ligação ao Aeroporto, linha esta que já existe, e que a partir daí vai fazer a ligação à outra linha, que vai até à Trofa, e que faz aqui a ligação ao centro da Maia e ao ISMAI. Esta ligação é um dado novo, de cuja linha existia já uma ideia há algum tempo, mas que hoje é uma realidade em termos de projeto e de procura potencial. Portanto, esta linha vai fazer parte da rede de expansão futura do Metro”.

Isto quer dizer que vai haver uma ligação mais eficiente desde Os Verdes (com ligação direta ao Aeroporto) até à Maia e depois até à Trofa.

“Além disso, a expansão vai incluir uma outra linha – a mais desejada aqui pela Maia – a que vem do Hospital de S. João (Asprela) até ao centro da Cidade da Maia, passando por Pedrouços, Águas Santas, Milheirós, Gueifães, Vermoim e centro da Cidade da Maia”, acrescentou Silva Tiago, “trata-se de uma linha circular Norte da rede do Metro do Porto e vai ser incluída na rede de Metro de expansão próxima e futura”.

O recente estudo divulgado há dias e que a Metro havida encomendado à Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto “é bom para todos os municípios, incluindo o da Maia”, sublinhou Silva Tiago.

Investimento de cerca de 2 mil milhões de euros vindos da “bazuca” de Bruxelas

Silva Tiago adiantou: “o facto de vivermos um período de pandemia e de termos uma oportunidade de um instrumento financeiro europeu, a que costumamos chamar bazuca, permitiu que aquilo que existia no PNI (Programa Nacional de Investimento) e que tinha uma componente financeira para o Metro de 860 milhões de euros, agora vai ter um acréscimo financeiro, sendo que uma parte vai ser disponibilizado para a mobilidade. Isso permite que a rede que estava desenhada pelo Metro do Porto para a Área Metropolitana tenha um investimento reforçado, e que as 8 linhas que foram pensadas para o Metro do Porto possam ser incluídas.

Assim, são inseridas na expansão do Metro as duas novas linhas de Metro para a Maia e o prolongamento da linha para a Trofa, aqui de modelo híbrido de metrobus. Ao que tudo indica será metro até à estação da Serra e daí até ao centro da cidade da Trofa, a ligação completa-se por autocarro (bus)”.

Ainda que a expansão do Metro comece a ganhar contornos mais reais, o projeto nunca será concretizável antes de um período de 5 a 7 anos, acredita Silva Tiago, e explica porquê.

“É um investimento de cerca de 2 mil milhões de euros, mas ainda vai ter que ser feito um segundo estudo pela FEUP, de caráter mais técnico, no que irá resultar de um estudo final”. Mas será necessário proceder a projetos e concursos públicos e mais tarde a obra no terreno.

O certo é que o próximo passo será apresentar o estudo final, ou seja, “o trabalho de casa” ao governo lá para o final do ano. E o presidente do Conselho Metropolitano do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues, assegurou ao presidente de Câmara da Maia que neste estudo final da expansão do Metro irão constar “a linha da Trofa e as duas linhas da Maia (uma linha que liga a linha da Póvoa à linha da Trofa e uma outra linha que liga o Hospital de S. João/Polo Universitário Asprela à Maia)”.

Silva Tiago salienta a grande importância de assegurar a ligação da linha da Maia ao Hospital de S. João pelo facto, acima de tudo, de trazer “a proximidade da população da Maia ao hospital de referência que serve o seu concelho, neste caso o S. João, além de ligar o centro da cidade ao polo universidade do Porto, onde estão as faculdades de engenharia, de medicina dentária e o IPO, no fundo, o centro nevrálgico da Área Metropolitana do Porto e de onde a Cidade da Maia e o concelho vivem e dependem”.

Por tudo isto, a inclusão destas linhas na expansão do metro “é uma excelente notícia para os maiatos”, reforçou Silva Tiago.

Eduardo Vítor Rodrigues preferiu não prestar declarações no final da reunião, devido a compromissos de agenda.

Ouvir declarações de Silva Tiago: