Esquadra do século XXI em Águas Santas

0
270

Já estava a funcionar, mas só no sábado foram inauguradas as remodeladas instalações da PSP de Águas Santas, que acolhem agora a sede da Divisão da Maia da PSP. Esta engloba as duas esquadras do concelho – Águas Santas e Maia – bem como as esquadras da PSP de Ermesinde e Valongo. Ao todo, falamos de aproximadamente 200 agentes.

O arranjo efectuado no mesmo piso do edifício onde já estava a funcionar a esquadra de Águas Santas permitiu criar uma séria de gabinetes, onde a entrada de luz é uma das imagens de marca. Agora, os agentes afectos a cada um dos serviços têm à disposição um gabinete para Notificações e Mandatos, uma Sala de Rendição e Escrituração, outra para Apoio à Vítima, um espaço de Secretaria e ainda um gabinete para o comandante de esquadra, cargo ocupado desde o dia 10 de Agosto pelo sub-comissário Paulo Varandas, sucedendo no cargo ao também sub-comissário Pedro Rocha.

Foi neste espaço que se reuniram no sábado forças de segurança e entidades autárquicas para assinalar o momento da inauguração. Do Governo, estava prevista a presença do ministro da Administração Interna (MAI), Rui Pereira, mas foi o Secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna, José Magalhães, quem representou a tutela. E sublinhou tratar-se já de uma esquadra “do século XXI”, com meios digitais e acessibilidades para todos:

[audio:ESQUADRA21.mp3]

A Câmara da Maia investiu na remodelação das instalações cerca de 150 mil euros, por entender o presidente, Bragança Fernandes, que “Águas Santas precisava desta divisão e de mais agentes”. Apesar do secretário de Estado ter destacado a redução do crime violento na zona, em 3,5 por cento.

Para além da esquadra, o espaço alberga agora a denominada Divisão da Maia da PSP cujo comando está entregue ao sub-intendente Dente Fernandes. Ao englobar as quatro esquadras, o secretário de Estado destacou o facto de estar a funcionar numa zona “populosa e dinâmica”, com cerca de 50 mil habitantes. Apesar de se ter falado num efectivo de quase duas centenas de elementos, José Magalhães alertou para a necessidade de não ver esse número isoladamente, já que “nós temos capacidade de pôr na Maia, em poucos minutos, os efectivos adequados para enfrentar qualquer situação que exija mais”. E são estes, sublinhou, “ferramentas essenciais do policiamento de proximidade”.

Marta Costa

(Notícia a desenvolver na edição de sexta-feira de Primeira Mão)