Estandartes divulgam a fé cristã neste Natal

0
80

Em vez das luzes e do Pai Natal, muitas das varandas e janelas de todo o país passaram a estar decoradas com estandartes de pano, de cor grená, com a imagem de um Menino Jesus barroco, de braços abertos. Este é, para os cristãos, o verdadeiro símbolo do Natal. Em Espanha, esta prática é frequente em várias cidades. Um grupo de amigos decidiu trazer a ideia para Portugal, tendo constituído para o efeito a plataforma “Estandartes de Natal 2009”. O objectivo era divulgar esta prática junto das famílias portuguesas e “partilhar” com elas a “alegria do Natal”. O coordenador para o Grande Porto, João Cabral conta que, inicialmente, a meta era distribuir cinco mil estandartes. “Estávamos com medo de não vender, mas acabou por superar todas as expectativas. A brutalidade de encomendas foi tal que, nesta altura, já perdemos um pouco o controlo das coisas”. Rapidamente, chegaram aos 30 mil estandartes que vêm de Espanha. Foram distribuídos por várias paróquias do país, onde podiam ser adquiridos por 15 euros.

Devido à elevada procura, os estandartes encontram-se esgotados em todas as paróquias, bem como no fornecedor espanhol. O site oficial da plataforma refere que, “já não existem mais estandartes de Natal para entrega às paróquias associadas”.

As receitas destinam-se a cobrir os custos de produção e o restante reverte a favor das obras sociais das paróquias. A missão da plataforma, para este Natal, está cumprida. Voltará no próximo ano, esperando que sejam cada vez mais as famílias a colocar o estandarte do menino Jesus nas janelas e varandas do país. A PRIMEIRA MÃO, João Cabral adiantou ainda que, empresas portuguesas, especializadas no fabrico de estandartes, já se manifestaram interessadas em produzir este novo símbolo da fé cristã.

Ideia é bem recebida pela Vigararia da Maia

O Estandarte do Menino Jesus não chegou às paróquias da Maia, de acordo com o responsável da Vigararia da Maia, o padre Orlando Santos. O sacerdote diz que só há alguns dias é que teve conhecimento da iniciativa. No entanto, considera a ideia “legítima”, como qualquer outra que tenha como objectivo divulgar a fé cristã. Dá também como exemplo a colocação de velas à janela na noite de Natal, uma proposta que foi colocada pela Cáritas aos párocos de várias freguesias, a exemplo de anos anteriores. “Na sociedade os sinais referentes à fé cristã são cada vez menores. A onda de laicismo é cada vez mais forte. Acho perfeitamente natural que haja pessoas que ponham isso como sinal de que os cristãos continuam a existir e que não têm medo de manifestar a sua fé. Acho perfeitamente legítimo, entre outros gestos que possamos imaginar”, sublinha.

O Vigário da Maia considera que a colocação dos estandartes do Menino Jesus, assim como outro tipo de iniciativas, é uma forma de os cristãos “manifestarem” e “exteriorizarem” a sua fé. Isto, numa altura em que os “sinais” cristãos, estão a ser cada vez mais reduzidos pela sociedade consumista. “Serve para lembrar que, de facto, o Natal não é só o comer, o beber, as prendas. Eu noto que as crianças estão cada vez mais a dizer que o Natal é a festa das prendas que o Pai Natal traz. O Natal é a festa do nascimento de Jesus Cristo. Acho perfeitamente legítimo que haja um incentivo para repor as coisas no seu devido lugar e para que as coisas venham ao de cima”, conclui o padre Orlando Santos.

Cáritas e Apoio aos Novos Desempregados

Pelo sétimo ano consecutivo, a Cáritas Portuguesa leva a efeito, neste Natal, a iniciativa “10 Milhões de Estrelas – Um gesto pela Paz”.

A título excepcional, está ainda prevista uma acção de angariação de fundos, a nível nacional, através da venda de velas pelo preço simbólico de um euro. As receitas reverterão a favor dos mais necessitados, em especial, aqueles que no decorrer deste ano ficaram sem meios de subsistência devido ao aumento do desemprego.

De acordo com o site oficial da Cáritas, 35 por cento das verbas recolhidas na venda das velas serão canalizadas para o Fundo de Apoio aos Novos Desempregados e suas famílias. Os restantes 65 por cento serão distribuídos pelas Cáritas Diocesanas e aplicados em projectos nacionais direccionados para a mesma temática.

Para amanhã, está agendada a habitual Manifestação Pública que reunirá pessoas por todo o país, num apoio solidário à Paz no Mundo. Esta acção desafia todos os cidadãos a adquirirem e a acenderem, este Natal, uma vela da Cáritas, símbolo do desejo de Paz para o Mundo.

Fernanda Alves