Evocação a D. António Ferreira Gomes

0
396

A Fundação Spes lançou, no passado sábado, no Salão Nobre da Câmara Municipal da Maia, o livro “Para uma civilização de amor e liberdade” com as homilias pascais de D. António Ferreira Gomes (1906-1989), proferidas entre 1974 e 1982. Os textos do falecido bispo do Porto são apresentados, neste livro, por D. Manuel Madureira Dias, bispo emérito do Algarve, e está inserida na colecção sobre a vida e obra daquele que é considerado um dos grandes pensadores portugueses.
Na cerimónia evocativa, o livro foi apresentado por D. Carlos Azevedo, bispo auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação Spes. Antes de falarmos do livro, é importante perceber quem foi este bispo.
Natural de Penafiel, D. António Ferreira Gomes foi nomeado bispo do Porto a 13 de Julho de 1952. Notabilizou-se pela atenção à miséria social do povo português, pela crítica do corporativismo do Estado e pela exigência da livre expressão do pensamento e da acção politica. Ficou ainda conhecido pela Carta a Salazar, onde deixava algumas críticas à situação política, social e religiosa da nação.

Como consequência, foi forçado ao exílio a 24 de Julho de 1959. Residiu em Espanha, na República Federal da Alemanha e em França, sendo mais tarde nomeado membro da Comissão Pontifícia de Estudos Ecuménicos para a preparação do Concílio Vaticano II pelo Papa João XXIII.

Após a morte de Salazar, regressou a Portugal, em 1969, e retomou o governo da sua diocese. Apresentou o pedido de resignação da diocese em 1981, cessando funções no ano seguinte. Publicou uma vasta obra de reflexão e ensaio. Foi alvo de várias homenagens e galardoado com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, em 1976, e a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, em 1983.
Desde a sua morte, a Fundação Spes tem vindo a publicar várias obras baseadas em textos de D. António Ferreira Gomes.
Para esta última obra, “iniciamos em 1974, exactamente no período antes do 25 de Abril, porque a Páscoa ocorreu antes do 25 de Abril e tem as homilias todas dessa Páscoa de 74 onde já andava no ar, certamente, uma doutrina que seria inspiradora para o que a seguir aconteceria”, explicou D. Carlos Azevedo. Outros textos referentes à Páscoa anteriores ao exílio foram já publicados, “era interessante publicar agora só estes, referentes aos anos 74 a 82, quando ele cessou funções e veio viver para Ermesinde”, justificou o presidente da Spes. O título da obra “respeita o fio condutor da maioria dos textos, que tentam mobilizar os cristãos para serem actores do reino de Deus, testemunhas dos valores evangélicos do Mundo, por dinamismo do espírito”, salientou D. Carlos Azevedo.

O lançamento do livro antecedeu o seminário “Empreendorismo Social” moderado por José Ferreira Gomes, sobrinho do homenageado e administrador da Fundação Spes.
A cerimónia evocativa culminou ainda com a inauguração da Avenida D. António Ferreira Gomes, em Águas Santas.
Refira-se que a Fundação Spes foi criada em testamento em 1977, pelo bispo do Porto, e formalizada após a sua morte, a 13 de Abril de 1989.

Fernanda Alves