Faleceu Elísio Costa, ex-presidente da Assembleia Municipal da Maia

0
238

O ex-presidente da Assembleia Municipal da Maia, Elísio Carvalho Costa, faleceu esta quarta-feira, vítima de doença prolongada. O funeral realizou-se ontem de manhã, na Igreja Paroquial de Gemunde e, à tarde, na igreja de Esporões, Braga. Terminadas as cerimónias foi a sepultar no jazigo de família no cemitério de Esporões.

Residente em Gemunde, António Elísio Carvalho Costa foi presidente da Assembleia Municipal da Maia entre 1985 e 1989. Foi também o primeiro presidente eleito do PSD da Maia. Nasceu a 9 de Setembro de 1940 em Esporões, Braga. Médico de profissão, foi pela enfermagem que começou os seus estudos académicos. Só mais tarde é que acabou por ingressar no curso de Medicina, especializando-se em nefrologia. Tinha ainda uma clínica de hemodiálise na zona dos Altos.

De acordo com o ex -presidente da Comissão Política Concelhia da Maia do PSD e presidente da Comissão Instaladora do partido, Bernardino da Costa Pereira, o partido na Maia teve em Elísio Costa um dos seus elementos mais preponderantes. Um homem “íntegro”. O ex-deputado à Assembleia da República afirma que o partido ‘laranja’ fica, “sem dúvida, mais pobre”, embora nos últimos anos tivesse deixado a militância activa. “Criou muitos amigos na política, era um homem respeitado por todos os quadrantes políticos, tinha grandes amigos em outros partidos políticos devido à sua integridade, à sua democraticidade e à sua maneira de ser de homem e de político”.

Foi-se a política mas ficou a amizade. Pessoalmente, Costa Pereira afirma que perdeu aquele que considerava o seu melhor amigo. “Uma amizade tão grande, tão saudável”. A última conversa que tiveram foi na quarta-feira da semana passada, antes de partir para férias. Nesse encontro, recorda, Elísio Costa dizia-lhe, em jeito de desabafo, estar na recta final. Na recta final de um tratamento. Costa Pereira acrescentou ainda que estes 15 dias seriam “cruciais” para “se libertar do inimigo, infelizmente, sucumbiu” a um cancro no pâncreas.

Foi com muita tristeza e muito pesar que esta quarta-feira, o presidente da Câmara Municipal da Maia teve conhecimento do desaparecimento de Elísio Costa. “Senti muito o seu falecimento porque era um bom homem e um homem que vai fazer falta, mas infelizmente a doença agravou-se nos últimos tempos”, disse Bragança Fernandes. O autarca considera que se trata de “uma perda” não só para o concelho da Maia mas também para o PSD, uma vez que “esteve ligado à sua fundação”. Era um homem que o edil admirava “muito”, “não só como pessoa, mas também como médico porque era amigo de ajudar os mais necessitados”, acrescenta.

Em Março deste ano, PRIMEIRA MÃO publicava um artigo de opinião da autoria de Nelson Ferraz que recordava precisamente o início do PSD no concelho da Maia. Nesse mesmo texto homenageava aqueles que no dia 15 de Fevereiro de 1975, tomaram posse, constituindo a Comissão Administrativa do partido, na Maia, e iniciando, aquilo a que chamou de “aventura Social-democrata, em terras do Lidador”. Uma Comissão que veio a ser reconhecida pela distrital do partido, em Março do mesmo ano.

“É meu intento lembrar e saudar, por este meio, aqueles que ousaram desafiar o poder instalado pelas forças da extrema-esquerda, as quais a coberto da revolução democrática tentavam encaminhar o nosso povo e o nosso País para outra forma de ditadura”.

E na sua memória, escrevia, ficaram as “célebres” sessões de esclarecimento levadas a cabo na totalidade das freguesias do concelho. “O combate ideológico não poucas vezes rasou a violência, a ameaça e o insulto. Que nostalgia me trazem as intervenções da nossa gente! Recordo, entre outros, e perdoem-me não referir os demais, os companheiros Elísio Costa, Bernardino Costa Pereira e Faustino de Andrade, sempre dispostos a esclarecer e divulgar pelas nossas terras o Ideal Social-democrata”.

Isabel Fernandes Moreira