Festa da Primavera levou pais e alunos à escola (vídeo)

0
155


A presença de Carolina Torres, finalista do programa Ídolos, no encerramento da Festa da Primavera, que decorreu no passado fim-de-semana, numa organização da Associação de Pais da Escola EB1 Maia Sede, fez as delícias de miúdos e graúdos. A jovem maiata chegou mais cedo e esteve a dar autógrafos e a tirar fotografias com todos quantos lhe pediram. Sempre com um sorriso e boa disposição também lá foi conversando principalmente com os mais novos. Aliás, já em cima do palco para interpretar três canções, um contratempo com a música, fez com que Carolina fosse entretendo o público mais jovem. Cantou, conversou e disse ainda ter descoberto em si a faceta do Stand Up Comedy.

Carolina foi uma das convidadas da associação de pais para participar nesta Festa da Primavera que surgiu com o objectivo de angariar verbas que levar os alunos do quarto ano da escola a Lisboa, em Junho. Ao longo dos dois dias, pelo palco montado no recreio da escola passaram diversos cantores e diferentes estilos musicais. Todos eles participaram a custo zero.

Ansiosa. Era assim que Carolina dizia estar momentos antes de subir ao palco. Era a sua primeira actuação na Maia. “Aqui é mais uma questão de presença para estar com os miúdos. Não tenho grande expectativa. Estou aqui para me divertir”, dizia a PRIMEIRA MÃO.

Profissionalmente, a jovem maiata afirma que a vida lhe tem corrido bem. Está a viver em Lisboa por causa do Curto Circuito e por causa de um curso de apresentação que está a tirar. Ao fim-de-semana participa nos espectáculos com os outros finalistas do programa Ídolos. Apesar do bom momento profissional que atravessa, uma coisa não escondeu: “Tenho muitas saudades do norte”, afirmou e em jeito de brincadeira não escondeu o sotaque regionalista.

Já no sábado, o ponto alto da Festa da Primavera, tinha sido a actuação de To Zé, vocalista da banda portuguesa “Perfume”. No entanto, as suas ligações à Maia, fizeram com que passasse a tarde de domingo também na escola e ter estado disponível desde a primeira hora para participar. “Acho que estas iniciativas privadas têm, ás vezes, mais força do que os eventos continuados e festivais e queimas das fitas porque são feitas por pessoas que não têm experiência e fazem esforços enormes para reunir boas condições e o objectivo é um objectivo maior”, justificou. E estará disponível sempre que lhe for solicitado. “Se toda a gente der um pequeno contributo, todos juntos o resultado será melhor”.

Em final da primeira Festa da Primavera, o presidente da Associação de Pais do estabelecimento de ensino, Henrique Carrola, fazia um balanço “muito positivo” de toda a organização. Não tinham números para poderem fazer comparações, por isso, “o balanço é francamente positivo”. “Quer no primeiro como no segundo dia tivemos muita gente a vir à escola, não só gente da escola como gente da comunidade em geral. Têm vindo em família, o programa também ajudou e estamos muito satisfeitos por esta iniciativa ter tido o resultado que acabou por ter”.
Não conseguiram angariar as verbas suficientes para levaram os meninos do quarto ano dois dias a Lisboa, no entanto, Henrique Carrola garante que já conseguiram uma grande ajuda. De qualquer maneira, “isto acaba por esta secundado porque este convívio e ver os pais virem à escola acaba também por ser reconfortante”, justifica.

Paralelamente aos momentos musicais, no recinto da escola estiveram ainda alguns artesãos a mostrar os seus trabalhos. Uma mostra que o presidente da associação de pais diz ter sido bem recebida pela comunidade escolar. Por seu lado, os artesãos também gostaram de tal forma que já pediram para realizar inscrição para a edição do próximo ano. “Eles estão satisfeitos apesar das condições deste ano não terem sido talvez as melhores”.

Isso levanta uma outra questão que se prende com a continuidade da Festa da Primavera. Henrique Carrola estará em final de mandato e afirma que isso será uma questão a decidir pela próxima associação de pais. “Quem ficar, fica com essa responsabilidade”. Da sua parte, garante, “os novos dirigentes podem contar com toda a colaboração que precisarem”.
Henrique Carrola aproveitou ainda para agradecer a todos quantos colaboraram com esta organização. Os cantores, as entidades oficiais, os patrocinadores, os seus colegas de direcção e as próprias famílias que foram “incansáveis” em todo o processo.

Isabel Fernandes Moreira