Há 4 dias consecutivos que os infetados na Maia não sobem (871)

0
4162

Na Maia, o número de novos casos positivos tem vindo a estabilizar, nos últimos dias, sendo que desde o dia 2 de maio que o número total de doentes se fixa nos 871. São 4 dias consecutivos sem aparecimento de novos casos de covid19.

A DGS anunciou hoje que nas últimas 24 horas registaram-se mais 11 óbitos e 178 novos casos de infeção por COVID-19 em Portugal.

Segundo o boletim epidemiológico daquela entidade, o número de vítimas mortais passou de 1.063 para 1.074, enquanto os casos confirmados aumentaram de 25.524 para 25.702.

A região Norte continua a ser a mais atingida, com o número de casos a ascender a 15.199 (+58 que ontem), e o número de mortos atinge 613 (+4).

Tal como a Maia, os concelhos de Trofa (139), Santo Tirso (356), Matosinhos (1149) e Valongo (729) não registaram novos casos de infeções.

Os mais afetados pela covid19 são Porto e VN Gaia, com, respetivamente, 1266 positivos (+8 que ontem) e 1425 (+7).

Sinais de otimismo contudo especialistas avisam que confinamento pode retornar em Portugal

Surgem os primeiros sinais de otimismo que dão margem a uma reabertura gradual da economia, mas o equilíbrio entre os dois não será fácil e especialistas do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças assumem a possibilidade de um retorno ao confinamento em Portugal.

A ministra da Saúde reforça a ideia, e diz que até a COVID-19 “ser erradicada, até encontrarmos uma cura ou uma vacina, não podemos imaginar o regresso à normalidade”. Ao todo, de acordo com o secretário de Estado da Saúde, desde o dia 1 de março foram realizados 450 mil testes e só a 30 de abril foram realizados 16.200.

Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, sugeriu o retorno a unidades hospitalares de referência para o tratamento do novo coronavírus, acautelando sempre a possibilidade de outras vagas do surto.

A Ordem dos Médicos veio hoje a público exigir a “alteração urgente de legislação que recomenda máscaras ou viseiras” por considerar que o uso de viseira como alternativa à máscara é insuficiente para assegurar a segurança sanitária. Marcelo Rebelo de Sousa já promulgou a redução do IVA na compra de máscaras e gel desinfetante.

O Ministério da Saúde continua debaixo de fogo na comunicação social. Desde meados de março, terá feito pelo menos 17 aquisições superiores a um milhão de euros a sete empresas por ajuste direto, num montante total de 79,8 milhões.

A Administração Central do Sistema de Saúde revelou que os privados e as misericórdias suspenderam 13 acordos de convenção com SNS durante confinamento.