Há mais 7 casos positivos na Maia

0
3546

Na Maia, o número de novos casos positivos voltou a aumentar, de acordo com o boletim da DGS. Nas últimas 24 horas a Maia registou mais 7 doentes.

A pandemia de COVID-19 já provocou mais de mil mortes em Portugal. Nas últimas 24 horas registaram-se mais 18 óbitos e 306 novos casos de infeção no país, de acordo com o boletim epidemiológico da DGS.

O número de vítimas mortais passou de 989 para 1.007, enquanto os casos confirmados aumentaram de 25.045 para 25.351. Há também a registar mais 128 pessoas recuperadas da doença, que são agora 1.647 no total.

O concelho da Maia regista no boletim de hoje o total de 870 casos, ou seja, mais 7 do que ontem. É de registar o esforço de contenção da pandemia, a exemplo da região Norte, que continua a ser a mais afetada do país.

A região Norte continua a ser a mais atingida, com o número de casos a ascender a 15.231 (+141), e o número de mortos atinge 578 (+12).

O concelho vizinho de Trofa regista 139 infetados (+2 que ontem), Santo Tirso tem 349 (+5), Matosinhos está com 1142 (+15), Valongo com 729 (+5).

Os mais afetados pela covid19 são Porto e VN Gaia, com, respetivamente, 1236 positivos (-17) e 1404 (+30).

Distancianciamento continua a ser palavra de ordem

Distanciamento. Esta foi a ideia mais vincada pelo primeiro-ministro ontem em entrevista na RTP sobre o que é preciso manter e o que muda a partir de segunda-feira com a entrada em vigor do estado de calamidade.
António Costa confirmou coimas para quem não usar máscara nos transportes públicos e o acesso às praias, para já, será só para praticar desporto.

Hoje comemora-se o Dia do Trabalhador de forma diferente do habitual, com a UGT a limitar-se a iniciativas online e a CGTP com ações simbólicas em 22 localidades, respeitando espaços de segurança entre pessoas. Carlos Silva e Isabel Camarinha traçam um retrato semelhante da atual realidade do mercado de trabalho português, mas diferem nos caminhos propostos em resposta.

Tal como na Páscoa, estão proibidas viagens para fora do município de residência durante este feriado e o fim de semana. O Presidente da República assinou o decreto e lembra que a retoma social e económica não pode pôr em risco os passos já dados na contenção e no controlo da pandemia.

No próximo mês o Governo vai distribuir 90 mil cabazes alimentares a famílias em situação de carência económica, em muitos casos causada pela pandemia, através de instituições sociais ao abrigo do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas.