Hoje na Maia não há novos casos de Covid (871)

0
4075
corona vírus

Na Maia, o número de novos casos positivos tem vindo a estabilizar, nos últimos dias. De acordo com o boletim da DGS, nas últimas 24 horas a Maia não registou qualquer novo caso de Covid19, mantendo o total de 871 doentes desde o início da pandemia.

O boletim epidemiológico publicado hoje pela DGS indica que nas últimas 24 horas morreram 20 pessoas e 92 foram confirmadas como novos casos de infeção por COVID-19 em Portugal.

O número de óbitos passou de 1.023 para 1.043, enquanto o de casos confirmados subiu de 25.190 para 25.282.

A região Norte continua a ser a mais atingida, com o número de casos a ascender a 15.021 (+70 que ontem), e o número de mortos atinge 597 (+12).

O concelho vizinho de Trofa regista os mesmos 139 infetados há dois dias consecutivos, Santo Tirso tem 352 (+2), Matosinhos está com 1149 (=), Valongo com 729 (=).

Os mais afetados pela covid19 são Porto e VN Gaia, com, respetivamente, 1247 positivos (=) e 1413 (=).

Entramos na situação de calamidade com desconfinamento gradual

Desde as 00h00 de hoje que Portugal já não está em estado de emergência, tendo passado a situação de calamidade. Durante este período vai vigorar um “dever cívico de recolhimento domiciliário”. Na Madeira, as autoridades anunciaram o levantamento da cerca sanitária na freguesia de Câmara de Lobos.

Entretanto, o Sindicato Independente dos Médicos veio alertar para os riscos do desconfinamento, assim como para a escassez de material de proteção.

A partir de amanhã, os transportes públicos terão de circular com a lotação máxima de dois terços da sua capacidade e os utentes terão obrigatoriamente de usar máscara.

Os táxis e os veículos de plataformas eletrónicas terão de transportar os passageiros no banco traseiro, devendo também cuidar da renovação do ar e da limpeza.

A Fundação Champalimaud e o Instituto Gulbenkian da Ciência vão realizar testes serológicos a médicos, enfermeiros e assistentes operacionais.

Já um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto apurou que há testes ao COVID-19 que deram positivo para metade das pessoas sem sintomas nem contactos de “risco”.