O Grande Auditório do Fórum da Maia encheu-se, na manhã do dia 29, de sabedoria e partilha de conhecimento.

O seminário “Educar para o Pensamento Crítico na Sala de Aula” juntou mais de uma centena de professores, e não só, para discutir a evolução dos modelos de ensino em Portugal. Em causa, o rompimento com o modelo transmissivo na educação, para que os jovens tenham as competências necessárias para os novos desafios do século XXI.

No seminário moderado pela professora Olívia Santos Silva, os quatro formadores (Caroline Dominguez, Rita Payan Carreira, Helena Silva e José Lopes) tentaram definir o conceito de pensamento crítico, compreender quais as suas características, e quais as melhores estratégias de promoção e desenvolvimento deste tipo de pensamento nos estudantes.

Discutiu-se também como aplicar princípios de aprendizagem ativa e estratégias de aprendizagem cooperativa, que possam desenvolver competências e disposições de pensamento crítico dentro da sala de aula. Foram utilizados alguns casos práticos para melhor elucidação dos presentes.

Neste debate na Maia, definiu-se o pensamento crítico como arma útil para o futuro, mas também uma competência imprescindível para a conjuntura atual.

Neste contexto, a vereadora do pelouro da Educação assumiu que “a autarquia deve ser agente facilitador desta mudança”, competindo, segundo Emília Santos, “ao município facultar todas as ferramentas para ajudar a comunidade educativa” nesta “metamorfose” necessária.

O seminário foi muito participado, com o público a partilhar as suas experiências e a questionar os oradores.

Esta iniciativa enquadra-se nos objetivos que a Câmara da Maia tem vindo a defender para a inovação na Educação, contexto em que tem vindo a fornecer as escolas de ferramentas tecnológicas e, os professores, de formação para a utilização dessas tecnologias. Emília Santos tem referido sobre estas novidades que o município pretende tornar os alunos no centro da procura do conhecimento, possibilitando que se tornem crianças e jovens com mais agilidade de pensamento crítico e, em simultâneo, hábeis no manuseamento de novas tecnologias ao serviço dos propósitos da sua educação.