Indústria agroalimentar reunida na Maia aponta tendências no setor

0
366

A PortugalFoods reuniu no mês passado para discutir as tendências que vão marcar o ano. O encontro decorreu na Maia, tendo sido identificadas dez tendências que estão a contribuir para alterar o setor da indústria agroalimentar.

Num estudo realizado pela New Nutrition Business foram identificadas dez tendências que estão a transformar o setor, que vão desde as preocupações com a saúde digestiva e mental, a redução de consumo de hidratos de carbono e de açúcares, uma maior procura por gorduras naturais e artesanais e produtos diferenciados à base de carne.

No encontro foi veiculado ainda que há quatro macrotendências que influenciam todas as anteriores e que irão ganhar relevo este ano. São elas: “fragmentação de mercado, snackification, sustentabilidade e naturalmente funcional”, explicou Joana Maricato, responsável de pesquisa de mercado da New Nutrition Business.

No que diz à fragmentação, espera-se uma crescente criação de nichos de mercado impulsionada pela informação “contraditória” disponível ao consumidor. “A maioria, 54% dos consumidores, diz que recorre primeiro ao canal online quando procura informação sobre nutrição. Médicos e nutricionais vêm depois. O que está a criar crenças díspares. Há muita informação contraditória. Situação abre portas a vários nichos de mercado”, explica Joana Maricato.

A segunda macrotendência é a “snackification”. Formatos de snacks, “de conveniência, para o consumo entre refeições, são tendência”, afirma a responsável. “Estes produtos têm um preço mais premium, o que compensa as marcas em termos de imagem de mercado”.

Os sancks podem também estar associados a outra macrotendência, quando sugerem um reaproveitamento de produtos à partida desperdiçados, por exemplo.  Desta forma, dá-se azo à sustentabilidade, que é já palavra de ordem para toda a indústria incluindo o setor agroalimentar.

Segundo uma análise elaborada pela Porto Business School, as exportações do o setor agroalimentar português rondam os seis mil milhões de euros, por ano, tendo subido  ligeiramente em 2018 para os 6,1 mil milhões de euros, dá conta, por sua vez, Pedro Vieira, docente daquela instituição.

O objetivo da indústria passa por chegar entre os 6,64 mil milhões e os 6,75 mil milhões de euros em exportações no ano de 2021.