Ismai junta alunos de diferentes nacionalidades em jantar de Natal

0
108

Iolanda Ramos é de Cabo Verde, tem 25 anos, está a estudar no Ismai e vai passar o Natal longe da família. Tal como esta aluna do 3º ano de solicitadoria e Assessoria Jurídica, outros alunos do Instituto Superior da Maia vão passar a época natalícia longe da família. São estudantes Erasmus ou dos Palop que escolheram a Maia como destino para fazerem parte do seu percurso académico. Para amenizar as saudades de casa, os alunos finalistas da Licenciatura de Relações Públicas organizaram, no sábado à noite, um jantar de Natal, onde juntou cerca de 80 pessoas.

À mesma mesa sentaram-se alunos vindos de Espanha, Itália, Roménia, Chipre, Grécia, Lituânia, Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. A ideia é apenas uma: “festejar o Natal multicultural, com as diferentes tradições, com as diferentes músicas, com a diferente gastronomia”, afirma Fábia Ortega Borges, docente do curso de Relações Públicas. “Nós temos muitos alunos internacionais, temos muitos alunos do Ismai que estão noutros países, portanto, que estão em mobilidade Erasmus e aquilo que nós tentamos fazer é juntar neste encontro também aqueles que estão a regressar a casa”, acrescentou.

A experiência no Ismai está a ser boa, garante Iolanda Ramos. “É bom estar aqui, no Porto. Se calhar se estivesse em Lisboa, ou em outra região do país acho que não ia gostar tanto”. Quando concluir os estudos, o objectivo é regressar à terra Natal. “Lá exercer a solicitadoria, por enquanto, acho que não porque ainda não temos solicitadores mas eu penso terminar, fazer o estágio, inscrever-me na Câmara dos Solicitadores e ganhar alguma experiência”, refere.

Quando chega o mês de Dezembro, afirma a aluna, “começa a nostalgia”. “É sempre a época mais complicada porque é inevitável pensar na família e nos amigos”. Este já é o terceiro natal que passa longe de casa, uma data que tem passado com os novos amigos que entretanto fez em Portugal e isso “é óptimo”, “mas sempre com saudades da terra”.

Quanto a esta iniciativa do Ismai, acha uma boa ideia. Apenas lamenta que a comunidade cabo-verdiana não tenha aderido. Dos Palop só estava Iolanda e uma outra colega, “o que é pena”, afirma.

Anna Baena Montoro, aluna de relações públicas, e Oscar Pablo Fernandez são dos que estão mais perto de casa. São espanhóis, ela de Múrcia, ele de Granada e partiram esta semana para casa, de férias e para passar a quadra natalícia, para matar um pouco das saudades de casa e da família.

Há três anos, Anna visitou Lisboa, gostou do país e na oportunidade veio estudar para o Porto. A verdade, refere, é que gosta mais. “Da Maia também. O Ismai é muito acolhedor, os professores são muito simpáticos”. Oscar visitou o Porto, gostou, conversou com os colegas para virem estudar para cá. Está no último ano de desporto “Tivemos sorte, aqui no Ismai estamos muito contentes”.

Mas para aqueles que não vão mesmo passar a época natalícia a casa, Fábia Borges afirma que estão a trabalhar no sentido de os integrar com colegas e professores do Ismai. “Vamos tentar que nenhum passe o Natal sozinho, pelo menos, a noite”.

Quanto à adaptação à língua, a docente adianta que quando chega há uma preocupação de lhes mostrar a área envolvente ao instituto. Depois, estão a ter aulas de português para se poderem integrar na cultura portuguesa. Falta apenas acabar com os clãs. “Os espanhóis andam muito com os espanhóis, os cabo-verdianos com os cabo-verdianos, não se misturam muito entre eles, por isso, é que neste jantar vamos misturá-los para que haja uma integração por nota-se que eles vivem entre colegas do mesmo país”.

Isabel Fernandes Moreira