“Isto está muito difícil”

0
127

O presidente da Câmara Municipal da Maia está preocupado com os efeitos da crise económica no concelho. À margem da “inauguração” da estrela de Natal da Torre Lidador, Bragança Fernandes admitiu que a situação económica que se vive no país, e a nível internacional, se reflicta já nas compras de Natal feitas na Maia.

Admitindo que “isto está muito difícil”, o autarca maiato confirmou que a situação é cada vez mais evidente na edilidade, onde cresceram os pedidos de ajuda. Aliás, “diariamente, quando vou tomar o pequeno-almoço ou o café, atendo duas a três pessoas. Ou por falta de dinheiro para medicamentos ou por falta de dinheiro para pagar a casa ou por falta de habitação, porque estão desempregados e não têm dinheiro para pagar a prestação”. Em alguns casos, nem mesmo para comer. A estes contactos, Bragança Fernandes acrescenta a quantidade de cartas que recebe na câmara, também a pedir ajuda. E sublinha que os pedidos já começaram a aumentar “há muito tempo”.

As solicitações têm sido tantas que a autarquia decidiu contemplar, no orçamento para 2009, uma rubrica de apoio social às famílias mais desfavorecidas. Ainda assim, o presidente da câmara reitera que “é uma responsabilidade do Governo, e não das câmaras, mas como as câmaras estão muito mais perto da população, a população vem ter connosco a pedir auxílio”. Por isso, volta a lamentar a falta da correspondente transferência de verbas nesta área, onde as competências já são “mais do que suficientes”, defendendo que “o Governo devia disponibilizar mais verbas e ajudar os mais carenciados e os que não têm emprego”. Bragança Fernandes confessa o receio de ver aumentar o número de desempregados, a nível nacional, admitindo que algumas empresas possam não reabrir em Janeiro. “Porque isto está muito difícil mesmo. Vejo o comércio vazio”.

Marta Costa

(Notícia desenvolvida na edição de sexta-feira de Primeira Mão)