Jovem da Maia entra no concurso Miss Queen Portugal

0
231
Esmeralda Moreira - fotografia cedida pela entrevistada

Esmeralda Moreira tem 20 anos e é da Maia. Este ano concorreu a Miss Queen Portugal e, nesta entrevista, fala-nos dos seus objetivos no certame.

Trabalha como atriz desde os 14 anos e é atleta de competição de danças de salão há 7. Está no último ano da licenciatura em Comunicação Empresarial no ISCAP e tem trabalhado, mais recentemente, com as redes sociais, fazendo algumas parcerias e publicidade.

O concurso de beleza Miss Queen Portugal reúne um grupo de raparigas e propõe diversos desafios. Este ano os temas fulcrais são a defesa ambiental (através da ‘Um milhão – plantar um milhão de árvores em Portugal’), o empoderamento feminino e a Pandemia.

O objetivo é que cada Miss consiga defender as causas propostas, praticando-as na sua vida.

A idade para participação no concurso não é um entrave, uma vez que existem três níveis: o ‘Teen’ dos 13 aos 18 anos, a categoria ‘Miss’ dos 17 aos 29 e depois a categoria ‘Mrs’ para mulheres entre os 28 e os 35 anos.

A primeira fase do concurso é distrital, ou seja, a nível do Porto – a eleição da Miss Porto.

“Desfilar, toda a gente desfila. É o abraçar de um projeto, de algo maior que faz a essência do concurso”

A participação no Miss Queen Portugal

Esmeralda Moreira confessou que sentia algum preconceito por concursos de beleza antes de conhecer o formato do Miss Queen Portugal. A jovem decidiu participar impulsionada por uma outra amiga, que teria entrado no ano anterior. “Sentia um pouco de preconceito, achei que era um programa para meninas ocas. Depois percebi que não: estudamos muito, não há Miss nenhuma que não saiba o que está a fazer ou que não saiba o historial de Portugal, por exemplo”.

As causas propostas para o ano de 2020 também captaram a atenção da jovem, que descreve o concurso como uma plataforma que dá voz às mulheres, abordando temas adequados e relevantes para a sociedade.

A concorrente afirma que à medida que o concurso vai avançando, maior é a capacidade de cada uma afirmar as suas ideias: “à medida que vamos passando as diferentes fases do concurso, mais espaço temos para dar a nossa voz. Lá dizem-nos muitas vezes que uma Miss tem de saber ouvir e falar, mas também tem de saber defender os seus argumentos e causas, mesmo que isso indique discordar dos outros”.

Esmeralda aponta como as principais características necessárias a uma Miss o carisma e a capacidade de se diferenciar, chamando à atenção mesmo que não seja a mais perfeita a nível técnico. A entrega na defesa das causas é fundamental, uma vez que esse é um dos princípios do concurso.

A maiata participou com o intuito de chegar longe, no entanto, refere que tem aproveitado mais o momento: “ganhar o concurso mudaria a minha vida e dar-me-ia uma maior voz para falar de temas tão importantes. Além de que quem vence o certame a nível nacional, mais tarde representa Portugal no Miss Terra (um dos maiores concursos a nível mundial), mas para já estou a aproveitar a experiência, que é única na vida”.

A jovem realça que para participar neste concurso não são exigidas quaisquer medidas de peso ou altura, quebrando assim o estereótipo padrão dos concursos de beleza comuns.

Devido à Pandemia, a parte da maquilhagem e dos cabelos também fica a cargo das participantes, de modo a evitar o contacto próximo. “Claro que eles promovem um estilo de vida saudável, mas a observar as concorrentes, somos todas mulheres reais: umas em melhor forma física que outras, umas com pele mais ou menos reluzente, mas o objetivo é sentirmo-nos no nosso melhor pelo que somos”.

Esmeralda Moreira – imagem cedida pela entrevistada

Mudanças na Maia, no país e causas importantes

Além das causas mencionadas no Miss Queen Portugal, Esmeralda Moreira mostra-se consciente da urgência em debater outros temas da atualidade. Aponta como um dos temas mais relevantes o racismo em Portugal e no mundo, que tanto tem aparecido nos meios de comunicação: “Todos os países têm a sua parte racista. Mas a realidade é que, enquanto tentarmos justificar os ataques a outra raça que não a nossa, isso será racismo. Não há desculpa”.

“Falta consciencializar a sociedade a ajudar o próximo. Devíamos falar destes temas, não abafá-los”

Faz ainda referência às questões ambientais e em como estas perdem relevância no debate público, isto é, não aparecem o suficiente nas notícias para chamar à atenção das pessoas, culpabilizando por isso não só a comunicação social, mas também os governantes de cada país, que nem sempre dão a importância suficiente à problemática – “ficamos super admirados de andar de máscara com a Pandemia, mas seria uma questão de meia dúzia de anos até isto acontecer naturalmente”, confessa exaltada.

Refere ainda a preocupação que tem com a situação dos campos de refugiados, onde existem condições sub-humanas e a pouca repercussão que essas situações têm, assim como a pobreza mundial.

Relativamente à Maia, Esmeralda Moreira afirma a urgência da colaboração do município nas causas ambientais, elogiando o apelo à reciclagem e aos postos de reciclagem disponíveis. Sugere a implementação de dias específicos para outras ações ambientais, de forma a motivar e consciencializar a população, como, por exemplo, um dia onde se plantem árvores.

Esmeralda fala também sobre a vontade que tem em fazer voluntariado com pessoas carenciadas, referindo que já o fez perto de estudantes, a aconselhá-los na sua formação e a dar importância aos estudos que os guiam.

Se chegarem à final nacional no Miss Queen Portugal, as concorrentes irão fazer um estágio, onde farão voluntariado, enquadrado nos temas propostos deste ano (questões ambientais, empoderamento feminino e a Pandemia).

Em anos anteriores, o concurso já terá realizado iniciativas parecidas, promovendo voluntariado com crianças e em zonas desfavorecidas, apoiando causas locais. “Isto também me motivou a juntar-me ao concurso. Dá-me voz e ajudo realmente alguém. Eu tenho as redes sociais e já participei noutros projetos, mas senti que aí ainda não consegui fazer realmente a diferença na vida de alguém”.

Esmeralda Moreira – fotografia cedida pela entrevistada

“As redes sociais são uma plataforma onde falamos para quem nos quer ouvir e quem nos quer ouvir assimila muito melhor a nossa mensagem”

Presença nas redes sociais

Esmeralda começou nas redes sociais de forma inusitada e espontânea, admitindo que não levava aquele espaço muito a sério. Com o tempo, especialmente durante o período de Pandemia, começou a produzir mais conteúdo e a receber convites para fazer parcerias com marcas, tornando-se mesmo embaixadora de uma. Agora olha para as redes sociais como um trabalho.

A concorrente do Miss Queen Portugal refere que os números não são tudo nas plataformas digitais e que a capacidade de influenciar alguém não se mede unicamente por aí: “por vezes não tem a ver com os números, mas sim com a afinidade que temos com o público. Nós criamos uma reputação positiva para a marca. Não vendemos, não somos vendedores. É importante partilhar coisas com as quais me identifico”.

A jovem aponta a regularidade, a consistência, o bom conteúdo e a espontaneidade como as características mais importantes para um trabalho consistente e que mantenha o público interessado, no entanto refere que o conteúdo deve ter qualidade e que isso deve sobrepor-se à quantidade de publicações.

“Para o digital a Pandemia teve consequências positivas, até porque nos deu mais tempo. Tempo para pensar, para criar. Confesso que arriscava mais nos conteúdos que postava e tudo mais. Havia esta necessidade de partilhar.”

Devido ao gosto que foi desenvolvendo na criação de conteúdos, Esmeralda admite que se escolhesse o curso atualmente, talvez ponderasse em seguir algo relacionado com a multimédia, gosto que surgiu quando se dedicou por mais tempo às redes.

Refere que ainda não sabe o seu caminho após a licenciatura (Comunicação Empresarial) e que entre o trabalho ou um possível mestrado, só o tempo dirá. Confessa o seu interesse pela rádio e até no trabalho de um gabinete de comunicação, mas ainda sem certezas, reiterando sempre a importância da formação e dos estudos na vida.
Ainda assim, refere que o sonho de ser atriz a tempo inteiro ainda se mantém, mesmo tendo consciência das dificuldades que o mesmo apresenta em Portugal.

Concurso Miss Queen Portugal:
1ª fase: municípios/regional: decorrem as votações (onde participa Esmeralda Moreira)
2ª fase: estágio – data a anunciar
3ª fase: final nacional – data a anunciar (culmina com a Gala de coroações)