Maia acolheu encontro inédito de Unidades Multideficiência e Autismo

0
415
Projeto da Equipa Terapêutica de Apoio à Multideficiência e ao Autismo
Imagem de Arquivo PM
- Publicidade -

O projeto foi inédito. Pela primeira vez no Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho, onde existe uma Equipa Terapêutica de Apoio à Multideficiência e ao Autismo (ETAMA), foi promovido o encontro de crianças que são apoiadas por este tipo de unidades em escolas do distrito do Porto.

17 agrupamentos de escolas do distrito aderiram à ideia e reuniram-se numa manhã de festa, que constituiu o 1º Encontro de Unidades de Multideficiência e Autismo. O evento realizou-se no dia 24 de maio, em parceria com a Câmara Municipal da Maia e reuniu cerca de 200 crianças.

A organização teve como objetivo reforçar a importância da inserção das crianças com deficiência, na sociedade, através de um acompanhamento constante adequado às suas necessidades.

Além do trabalho diário no desenvolvimento funcional das crianças, Andreia Rocha, terapeuta da ETAMA, que é constituída por oito elementos, explicou que foi decidido proporcionar aos utentes um momento cultural “dando-lhes oportunidade de também participarem nalgumas das atividades”, tendo em conta que “nem sempre estas crianças têm acesso fácil à Cultura”.

Ao longo de toda a manhã, por grupos, as crianças foram participando ou assistindo a atividades por áreas: Teatro, Pintura, Música, etc.

Equipa Terapêutica há cerca de 10 anos no Agrupamento Dr. Vieira de Carvalho

A ETAMA existe no Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho há cerca de uma década e Andreia Rocha refere que se nota evolução no desenvolvimento dos utentes: “Normalmente, os apoios das terapias são fornecidos em contexto clínico, que não é o contexto real, sendo a esse nível que trabalhamos mais na escola. O que obtemos é também diferente, conseguimos integrar mais os meninos nas atividades, isto é, muito mais integração na funcionalidade, que é o que se pretende. O que queremos não é preparar estas crianças para serem excelentes profissionais, mas sim prepará-los para a vida e para que consigam encará-la com o máximo de independência, integrandos ao máximo na escola e na família”.

Todos os anos, este agrupamento contrata um conjunto de profissionais para a ETAMA, que dá apoio às crianças das suas escolas, mas também a outros estabelecimentos de ensino fora do agrupamento, que contratualizam ou estabelecem protocolos para obterem o apoio desta equipa.

A ETAMA é composta por uma psicóloga, duas fisioterapêutas, três terapêutas da fala e duas terapêutas ocupacionais. A equipa dá apoio a crianças da Escola da Boa Nova, de Leça da Palmeira; do Agrupamento de Pedrouços, da Maia; Agrupamento de Escolas de Gonçalo Mendes da Maia; para além do agrupamento a que pertence, “Dr. Vieira de Carvalho”, Maia.
Encontro é exemplo de “escola inclusiva”.

Miguel Madureira, diretor do Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho, foi o anfitrião no 1º Encontro de Unidades de Multideficiência e Autismo, e referiu à reportagem do Primeira Mão que este é o exemplo da “escola inclusiva”, pois “nós é que temos que nos aproximar da realidade destas crianças e trazê-las à escola e ao convívio com toda a comunidade escolar”.

Escola inclusiva

O Delegado Regional do Norte da DGESTE (Direção Regional dos Estabelecimentos Escolares), José Mesquita, esteve presente nesta iniciativa e considerou que “numa escola inclusiva, é este o trabalho normal que deve ser feito”. Por outro lado, e referindo-se aos 17 agrupamentos do distrito do Porto presentes neste encontro, José Mesquita salientou a importância do “trabalho em rede”, mostrando-se satisfeito por estar a acontecer aqui na região.

António Tiago, vice-presidente da Câmara da Maia, mostrou-se agradado por ser a Maia o município anfitrião deste encontro pelo número de agrupamentos e de concelhos reunidos e ainda pelas crianças, que “darão esta manhã por bem aproveitada, esperamos que convivam e se sintam mais felizes”.

Ana Miguel Vieira de Carvalho, vereadora da Solidariedade e Coesão Social, referiu ser uma honra “receber aqui na Maia estes meninos de concelhos vizinhos, sendo uma manhã inclusiva e que parte da iniciativa deste agrupamento da Maia”.

Maria do Céu, professora da Escola Secundária de Leça, acompanhou alguns dos seus alunos e salientou, acima de tudo, a importância que terá para eles “o momento de convívio e de alegria, também de encontro com amigos e outros miúdos que também têm dificuldades iguais ou diferentes”.

Simone Alcântara, técnica do Agrupamento de Escolas de Pedrouços, referiu que para estas crianças é importante “a inclusão, a integração, o despertar de novos interessses, porque é uma nova atividade”. Por outro lado, é “enriquecedor” para os profissionais presentes, “poder trocar experiências e articular melhor o nosso trabalho”.

- Publicidade -