Maia colabora com a AMI

0
150

 

“Foi massiva” a adesão à campanha de Reciclagem de Óleos Alimentares Usados, promovida pela Assistência Médica Internacional (AMI). A nível nacional e na Maia, em particular, disse a PRIMEIRA MÃO Luís Lucas, do Departamento do Ambiente da Fundação AMI, num balanço da iniciativa. No Continente e Ilhas inscreveram-se para participar no projecto 4548 estabelecimentos, sendo 1257 do distrito do Porto e 101 do concelho da Maia.

 

O projecto arrancou no início de Fevereiro do ano passado, mas só foi aberto ao público no mês de Julho. Confessa Luís Lucas que, de início, a adesão “causou alguma perturbação logística”, mas “em Setembro as recolhas já estavam todas a ser feitas com normalidade”. Além disso, confessa-se surpreendido com o nível de adesão à campanha.

Ouça as declarações de Luís Lucas:

[audio:AMI_OLEOS.mp3]

Em cada entidade, a AMI colocou os respectivos contentores – denominados oleões – onde podem ser depositados os óleos alimentares usados. Nesse mesmo equipamento está afixado um número de telefone – de chamada gratuita – para que assim que estiver cheio o contentor, a entidade promotora da campanha saiba que tem de o recolher e colocar outro no mesmo local.

Entre os 101 aderentes ao projecto está a Junta de Freguesia da Maia, que colocou um contentor à entrada do Zoo da Maia. Porque a imagem também conta, o presidente, Carlos Teixeira, fez questão de trabalhar o enquadramento dos oleões e garante que tem funcionado bem.

Ouça as declarações de Carlos Teixeira:

[audio:OLEOS_MAIA.mp3]

Até ao dia 18 de Fevereiro, a Fundação AMI tinha recolhido, só na Maia, 18 180 litros, de um total de 226 260 litros no distrito do Porto e, a nível nacional, 818 640 litros.

O número pode continuar a aumentar, dependendo apenas da consciência dos cidadãos. Alerta a AMI, no site da Internet, que o óleo alimentar usado “pode ainda ajudar muita gente”, já que “cada litro de óleo será transformado num donativo para ajudar a AMI na luta contra a exclusão social em Portugal”.

A lista completa das entidades aderentes pode ser consultada no site da AMI.

Marta Costa