Maia com mais 32 infetados de Covid19

0
5416
máscara

Na Maia, o número de novos casos positivos voltou a aumentar consideravelmente nas últimas 24 horas, passando a haver 906 infetados. São mais 32 doentes do que ontem.

A DGS anunciou hoje que, nas últimas 24 horas, registaram-se mais nove óbitos e 553 novos casos de infeção por COVID-19 em Portugal.

Segundo o boletim epidemiológico, o número de vítimas mortais passou de 1.105 para 1.114, enquanto que os casos confirmados aumentaram de 26.715 para 27.268.

O número de pessoas recuperadas encontra-se atualmente nos 2.422, mais 164 que ontem.

A região Norte continua a ser a mais atingida, com o número de casos a ascender a 15.809 (+359 que ontem), e o número de mortos atinge 639 (+5).

Entretanto, quase em todos os concelhos vizinhos da Maia e da Área Metropolitana do Porto houve aumento de novos casos.
Valongo tem 734 novos positivos (+5), Matosinhos está com 1192 (+29), Santo Tirso tem 369 (+6) e Trofa 141 (+2).

Já Porto está com 1295 (+26) e VN Gaia com 1445 (+13).

Número de novos casos volta a aumentar com incidência em Lisboa

A região de Lisboa reportou nos últimos dias o maior número de diagnósticos desde o início da pandemia. A DGS admite que isso pode ser reflexo de rastreios, mas a tendência está a ser analisada.

Ontem, a diretora-geral da Saúde admitiu alargar os testes à COVID-19 nas escolas e já são conhecidas as orientações para os restaurantes e os cafés, de forma a que consigam assegurar a minimização da transmissão da doença, quando retomarem a atividade no próximo dia 18. Está a ser desenvolvida uma escala de risco de COVID-19 para utilização em hospitais do SNS, a começar pelo hospital de Ovar.

Entretanto, boa parte dos hospitais do SNS vai manter mais de metade das consultas externas no modelo não presencial, ou seja, por telefone.

Circuitos separados marcam regresso à “normalidade” no Hospital São João. Mais de dois meses depois de o primeiro caso de COVID-19 ter sido detetado em Portugal, o hospital já fez 33.601 testes ao novo coronavírus.

A Entidade Reguladora da Saúde diz que os privados têm de assegurar a previsão de custos relacionados com o tratamento à COVID-19. A posição surge após estes prestadores cobrarem aos utentes os equipamentos de proteção individual utilizados.

Vai ser submetido hoje ao Infarmed, um pedido de ensaios em pessoas para um ventilador pulmonar desenvolvido em Portugal. Estão construídos 100 ventiladores e angariados 1,85 milhões de euros em doações para este projeto, que foi apresentado hoje ao primeiro-ministro.

Na ocasião, António Costa indicou que Portugal não pode estar dependente do estrangeiro para receber materiais essenciais para o combate ao coronavírus. “Se tudo correr mal, não faltarão ventiladores”, afirmou.