Maia de novo sem qualquer novo caso positivo de Covid19

0
2633

Na Maia, bem como na grande parte dos concelhos do distrito, o número de casos positivos não sofreu aumento, de acordo com o boletim da DGS. Isto é não se registaram novos casos nas últimas 24 horas. A exemplo do que já havia sucedido ontem.

O boletim epidemiológico diário da DGS publicado hoje regista mais 20 mortes e 305 casos de infeção com COVID-19 em Portugal nas últimas 24 horas.

O número de óbitos subiu de 928 para 948 e o total de casos confirmados aumentou de 24.027 para 24.332.

O concelho da Maia regista no boletim de hoje os mesmos 826 casos em dois dias consecutivos. É de registar o esforço de contenção da pandemia, a exemplo da região Norte, que continua a ser a mais afetada do país.

A região Norte continua a ser a mais atingida, com o número de casos a ascender a 14.702 (+206), e o número de mortos atinge 546 (+10).

Nos concelhos vizinhos de Trofa, Matosinhos, Valongo e Porto não se registaram novos casos nas últimas 48 horas. Mas se ontem Santo Tirso não registava aumento de casos, hoje, já não é assim. Há mais 3 infetados no concelho, que regista um total de 308 doentes.

Os mais afetados pela covid19 são Porto e VN Gaia, com, respetivamente, 1211 positivos (+0) e 1263 (+0).

Presidente e governo reúnem para discutir o que vem a seguir

O Presidente da República, Governo, partidos e especialistas reúnem hoje no Infarmed para analisar a situação epidemiológica do país com vista a um possível levantamento do estado de emergência em Portugal.

De acordo com a OCDE, Portugal está na média do número de testes à COVID-19 dos países que integram a Organização, muito acima de países como a França ou o Reino Unido mas abaixo da Islândia ou do Luxemburgo.

A aquisição de bens, equipamentos e serviços para a prevenção e combate da doença já pode ser feita por ajuste direto simplificado, qualquer que seja o valor do negócio, uma flexibilização justificada pelo mercado internacional, que está condicionado pela grande procura.

A informação surge numa altura em que o Ministério da Saúde está a ser acusado de não revelar os contratos milionários de aquisição de Equipamentos de Proteção Individual. Esta semana, o país recebe 7,9 milhões de máscaras cirúrgicas e quatro milhões de respiradores, disse ontem o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

Entre 1 de março e 22 de abril, o número de mortes – superior ao que seria esperado em Portugal – pode ter chegado às quatro mil. As conclusões são de um estudo publicado hoje na revista científica da Ordem dos Médicos, que aponta para a agudização das doenças crónicas por “receio de ir às urgências”.

A monitor4COVID19 foi apresentada ontem no Porto, uma app móvel que está a ser desenvolvida em Portugal desde março e que alerta quem esteve em contato com um infetado. Já a Universidade de Coimbra vai estar à frente de um consórcio internacional para “estudar a compaixão, conexão social e resiliência perante o trauma durante a pandemia” da COVID-19, anunciou ontem a instituição.