Maia e Mbombela mais perto

1
184

A Maia e a cidade de Mbombela, na África do Sul, estão mais perto. Não geograficamente mas sim nos laços formais. Foi assinado ontem, ao fim da tarde, um compromisso de geminação com o município africano. O objectivo é, mais tarde, celebrar um protocolo de geminação entre as duas cidades. O memorando foi assinado pelo presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, e pelo “mayor” de Mbombela, Lassy Chiwayo.

Foi uma assinatura “especial” até porque o edil sul-africano estava de parabéns. Nada mais nada menos do que 42 primaveras. Facto que trouxe informalidade à cerimónia, que até teve direito a champanhe e a muitos brindes. Cantaram-se os parabéns a Lassy Chiwayo em inglês e em português. Vias abertas para acordos não só empresariais, mas também culturais e desportivos. A ideia partiu de ambas as autarquias e foi isso mesmo que o “mayor” de Mbombela frisou no final da assinatura do protocolo. Lassy Chiwayo lembrou que a província de Mpumalanga faz fronteira com Moçambique e há laços muito importantes entre povos lusitanos e africanos. Confessou também estar “muito entusiasmado” com o acordo firmado ontem. A visita da comitiva sul-africana serviu também para “aprender com os melhores”, acrescenta o edil de Mbombela, aludindo à cidade da Maia. A “visita de estudo” serviu também para “tirar ideias” tendo em vista a industrialização da região sul-africana que, de acordo com Lassy Chiwayo, é muito “rica em madeira, fruta, e também o sector do turismo que está a conhecer um crescimento muito grande”. “Há muitas lições que podemos aprender com Portugal”, acrescenta o “mayor” de Mbombela.

Do lado nacional, o vereador das relações internacionais da câmara da Maia, Paulo Ramalho, frisou que este protocolo vem na sequência “de uma estratégia que não era levada a cabo no passado”, porque agora “as geminações não são feitas somente a nível desportivo e cultural, mas também em formação e a nível económico”, explicou. Está assim criada “uma plataforma para que as empresas da Maia se possam internacionalizar e conhecer novas realidades de investimento noutros países”. A escola de África não é por acaso, dada a “relação histórica muito forte” que existe com o continente a sul. Para Paulo Ramalho, estes acordos servem para que as gentes da Maia sejam “dignos sucessores dos nossos antepassados que fizeram enormes amizades e parcerias” em território africano”, rematou.

Pedro Póvoas

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente trabalho do vereador das relações internacionais da câmara da Maia, Paulo Ramalho,tem tido um trabalho muito positivo, o qual tenho apreciado. Dá gosto ter escolhido a Maia para viver. Parabéns Sr. Paulo Ramalho e Câmara da Maia precisamos de investimento e crescimento económico, só assim criamos mais emprego. Terei muito gosto, quando se proporcionar em cumprimentá-lo e felicitá-lo pessoalmente, parece-me estar perante alguém com grande esentido empreendedor.
    João Marques Coelho – Rua Altino Coelho, Vermoim.

Comments are closed.