Maia em 17º lugar nacional do ‘ranking’ Independência Financeira

0
216
Foto de Arquivo PM

A Maia encontra-se em 17º lugar a nível nacional como um dos municípios que apresenta maior independência financeira com uma percentagem de 72,6, de acordo com o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2019.

O documento foi apresentado esta terça-feira, dia 24, pela Ordem dos Contabilistas Certificados e o Centro de Investigação em Contabilidade e Fiscalidade do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) numa conferência de imprensa online.

O índice de maior independência financeira (equilíbrio entre receitas próprias e receitas totais do município) dá o 1º lugar a Lisboa com 91.7%. Em 6º lugar aparece o primeiro município do Norte neste ‘ranking’ – Porto (84,9%).

Do Norte, aparece depois a Maia, em 17º lugar, com 72,6%, que regista uma ligeira melhoria relativamente ao ano 2018, em que tinha um grau de independência financeira de 72,1%.

Depois da Maia, aparece VN Gaia em 22º lugar e Matosinhos em 25º, no quadro dos 35 municípios com maior indpeendência financeira, a nível nacional.

imagem Anuário Financeiro Municípios 2019

A Maia desce um pouco na classificação dos municípios onde é cobrada mais receita – está em 24º lugar com um apuro de 73.465.126 euros, em 2019, registando mesmo um decréscimo relativamente à receita do ano anterior de -0,7%.

O município do Porto está em 2º lugar neste quadro dos que cobra mais receitas aos munícipes, seguindo-se VN Gaia, em 6º lugar, Matosinhos em 9º e Gondomar em 12º posto.

No que respeita à origem da receita conseguida, de acordo com o Anuário Financeiro dos Municípios, a Maia arrecada receita maioritariamente de impostos, taxas e licenças, o que em 2019, teve um peso de 61,8% no total da receita do executivo. A Maia aparece neste ‘ranking’ em 11º lugar, sendo de registar que essa percentagem no peso total da receita diminuiu em 2019, pois em 2018 os impostos, taxas e licenças representavam 63,3% do total de receita.

O Porto é o município no topo da tabela classificativa, sendo que do Norte, a Maia é o município que lhe segue, em 11º lugar. Depois Matosinhos encontra-se em 16º.

A Maia encontra-se também numa posição confortável no ‘ranking’ dos municípios que angariaram maior valor de receita fiscal em 2019, está em 11º lugar com 45.425.503 Euros de receita (em 2018 tinha uma receita de 46.840.940 Euros). O Porto está em 2º lugar e Matosinhos em 9º.

A Maia foi um dos TOP 5, que reduziu a cobrança do IMI em 2019, mas conseguiu angariar mais receita nesse ano com esse imposto sobre imóveis.

Encontra-se em 5º lugar dessa tabela com uma redução de -1,3% do IMI de 2018 para 2019, mas com um aumento de receita de 0,1% de um ano para o outro (em 2019 arrecadou 21.910.027 Euros).

Ainda assim não está nos lugares cimeiros dos municípios que mais cobram de IMI – a Maia encontra-se em 16º lugar, sendo que o Porto aparece em 5º e Matosinhos em 11º lugar.

Já no que respeita à receita de Derrama, a Maia aparece em lugares mais elevados do ‘ranking’ dos municípios com maior receita de Derrama em 2019, encontrando-se em 6º lugar nos 35 municípios mais destacados (cobrou 8.278.475 Euros de Derrama em 2019).

imagem Anuário Financeiro Municípios 2019

No que respeita a despesa com pessoal, a Maia está em 23º lugar no ranking de 35 municípios, em que houve um aumento desta despesa de 2018 para 2019 – a variação foi de 5,4% (despesa total 20.183.049 Euros em 2019).

De salientar que no índice dos Municípios com maior volume de Passivos Financeiros (contração de empréstimos bancários) em 2019, a Maia não aparece no ‘ranking’ dos principais 35 concelhos.

A Maia encontra-se bem classificada noutro ‘ranking’ fundamental para aferir da “boa saúde financeira” do município, como tem referido o seu presidente Silva Tiago neste mandato. Trata-se da tabela dos municípios com maior diferença positiva entre amortização de empréstimos e novos empréstimos – a Maia está em 7º lugar com uma amortização de 6.760.868 Euros.
Neste âmbito VN Gaia está em 1º lugar, seguida do Porto.