Maia Saúde com sete mil rastreios

0
116

Na quarta edição, o Maia Saúde mudou-se este ano para a Praça Doutor José Vieira de Carvalho. Foi neste espaço frontal à Câmara Municipal da Maia que estiveram representadas, no sábado e no domingo, cerca de 60 entidades, não só da Maia como de outros pontos do distrito. A pensar na população, ofereciam rastreios gratuitos, acções de informação e sensibilização e ainda tiravam dúvidas e prestavam esclarecimentos. Apesar de separadas as iniciativas, numa atitude “positiva para ambas as actividades”, a organização contabiliza cerca de 20 mil visitantes, no total.

Na abertura do evento, a vereadora da Acção Social e Protecção à Terceira Idade, Ana Miguel Vieira de Carvalho, justificava a mudança de palco com o facto de terem crescido as entidades interessadas em participar. A ponto de, na véspera, outras terem demonstrado essa vontade, já não dispondo de stands disponíveis. Face a este interesse crescente, “fica a promessa de, para o ano, crescermos mais um pouco, ainda”, adiantava a autarca.

Reconhecendo que “a população tem aderido bastante”, as individualidades presentes tiveram mesmo que apressar a abertura oficial do Maia Saúde 2010, porque eram já muitos os que circundavam os stands para os começarem a visitar. E, com este aumento, beneficiaram de maior número e maior diversidade de rastreios gratuitos. Desde a visão à audição, passando pela higiene oral, o estado dos pés, a terapia da fala, a tensão arterial, o colesterol, entre muitos outros.

Além do diagnóstico, nestes dois dias a população pôde tirar dúvidas e obter esclarecimentos através das acções de informação e sensibilização sobre VIH/SIDA, Alzheimer ou Parkinson, cardiologia, nutrição e muitas outras áreas. No balanço da edição deste ano, as contas apontam para “muito mais” rastreios e acções de sensibilização do que no ano anterior, respectivamente, na ordem dos sete mil e das sete mil e 500. Por isso, conclui Ana Miguel, “a iniciativa foi bastante positiva”.

[audio:RASTREIOS_MAIA_SAUDE.mp3]

Resta saber o que pensam os responsáveis pelos stands e os próprios visitantes, a quem foram distribuídos nos dois dias inquéritos distintos para darem a conhecer a sua avaliação. Os dados estão ainda a ser analisados, adiantando a vereadora que, ao nível das respostas concedidas, a participação “foi positiva”.

Marta Costa