Metro já circula na Linha de Gondomar, mas não chega ao centro

0
182

Mais de sete anos depois de ter sido aprovada, está concluída, em parte, a Linha de Metro para Gondomar. A obra, que está integrada na segunda fase de expansão do metro do Porto, recebeu luz verde do Governo de Durão Barroso em Julho de 2003.
Inicialmente estava previsto o metro chegar ao centro do concelho, mas acabou por ser encurtada, fazendo a ligação apenas até Fânzeres. Baptizada como Linha Laranja (F), recebeu a sua primeira viagem técnica, esta terça-feira, com passageiros convidados. Entre os quais, Valentim Loureiro, presidente da Câmara de Gondomar e o presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto.

Durante toda a viagem, o autarca e ex-administrador da Metro, não deixou de mostrar o seu descontentamento pelo facto do metro não chegar à sede do concelho, dando a entender que foi enganado. “A linha acabou por ser amputada e ficar a pouco mais de meio, porque o ministro de então, Mário Lino, convenceu-me que se a linha ficasse aqui avançaria imediatamente com uma nova linha: Campanhã – Valbom – São Cosme. Eu fui na conversa, de maneira que agora temos a linha a três quilómetros da sede do concelho e a outra está no papel”, referiu Valentim Loureiro. Apesar de ter conhecimento de que a Metro do Porto tem tudo preparado para apresentar a concurso a nova ligação, Valentim Loureiro manifestou-se bastante pessimista quanto à sua aprovação pelo Governo. “Não estou a ver que o Governo tenha dinheiro para mandar avançar com essa linha. É a minha convicção”, lamentou.
Mais optimista, Ricardo Fonseca, presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto referiu que a empresa vai cumprir o compromisso que assumiu, de entregar ao Governo “as peças concursais até ao final deste ano”. Neste pacote está a segunda linha de Gondomar, que vai ligar São Cosme, Valbom e Campanhã. “Estou convicto de que a decisão acabará por ser pela positiva. Não queria ser tão pessimista quando está a ser o presidente da câmara de Gondomar”, afirmou Ricardo Fonseca, embora reconheça que a situação financeira da Metro do Porto é de “grande dificuldade”.

A linha de Gondomar é a primeira obra da segunda fase de expansão do metro a ficar concluída. Custou cerca de 135 milhões de euros. Tem uma extensão de sete quilómetros e é composta por 10 novas estaçõe. Está ainda dotada de quatro parques de estacionamento gratuitos, com capacidade total de 462 viaturas.
A inauguração está prevista para depois do Natal, seguida de viagens gratuitas até ao final do ano. O início da operação comercial está previsto para 2 de Janeiro de 2011.
Em fase de conclusão está ainda a extensão da linha de metro até Santo Ovídio, em Vila Nova de Gaia. Deverá estar pronta em Maio do próximo ano, de acordo com a Metro do Porto.

Viagem na Linha F em dia de aniversário

A primeira viagem técnica da Linha de Gondomar aconteceu no dia em que a Metro do Porto comemorava o seu oitavo aniversário.
Oficialmente inaugurado a 7 de Dezembro de 2002, o sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto tem hoje cinco linhas, cerca de 60 quilómetros de extensão e 70 estações em funcionamento, servindo cerca de cinco milhões de pessoas por mês, em média.
Em números redondos, o metro conta com cerca de 275 milhões de clientes transportados entre 1 de Janeiro de 2003 (data do inicio da exploração comercial) e 6 de Dezembro de 2010. Um número que equivale a 197 vezes a população da Área Metropolitana do Porto, e com cerca de 32,5 milhões de quilómetros percorridos, o que corresponde a 2500 voltas ao diâmetro da Terra.

A idade média dos clientes do Metro do Porto é de 33 anos, pelo que são as camadas mais jovens que, maioritariamente, tiram partido dos benefícios deste meio de transporte. Seguem-se os estudantes e clientes com habilitação superior. Grande parte dos clientes usa o metro para ir de casa para o trabalho, sendo que 52 por cento das deslocações são pendulares e 27 por cento são de lazer. Ainda de acordo com a Metro do Porto, o Índice Global de Satisfação dos clientes está na ordem dos 76 por cento.

Fernanda Alves