Mortes em março e abril aumentaram em relação a 2019 por entre idosos – Maia é um dos municípios que se destaca

0
219
Sénior

Entre 01 de março e 26 de abril deste ano morreram mais 1.667 pessoas do que no mesmo período de 2019, sobretudo pessoas com 75 e mais anos, divulgou esta sexta-feira, dia 8, o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Maia é um dos municípios que se destaca, segundo o INE, com mais de 40 casos confirmados por 10.000 habitantes.

Nessa faixa etária morreram mais 1.597 pessoas do que no passado, segundo os indicadores agora publicados, que dizem respeito ao impacto da pandemia de covid-19.

O total de mortes deste período este ano atingiu 19.545 e 14.264 das pessoas tinham mais de 75 anos. Relativamente ao mesmo período de 2018, houve mais 580 mortes este ano.

Em 173 dos 308 municípios houve mais mortes nas últimas quatro semanas do que a média das mortes durante o mesmo período dos anos de 2018 e 2019 e em 52 deles o número de mortes foi 1,5 vezes superior.

Nas restantes autarquias (44% do total), o número de mortes foi igual ou inferior ao período homólogo.

Quanto ao número de casos da covid-19, a média nacional registada no dia 06 de maio era de 26
casos confirmados por cada dez mil habitantes, um aumento de 20% em relação a 22 de abril, a data de referência do último boletim do INE.

Entre 07 de abril, data do primeiro boletim, e 22 de abril, tinha aumentado 70% a média de casos por 10.000 habitantes.

Em 51 municípios, o número de casos por 10.000 habitantes foi superior à média nacional, 36 dos quais na região norte.

No boletim do INE destacam-se Valongo, Matosinhos, Maia, Gondomar, Porto, Santo Tirso e Vila Nova de Gaia, com mais de 40 casos confirmados por 10.000 habitantes.

O país entrou no domingo, dia 3, em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.