Na Maia há mais 21 novos casos positivos de Covid19 (763)

0
1679
Covid19

Na Maia voltam a registam-se hoje novos casos positivos de Covid19, mais concretamente 21 doentes, o que eleva o total até agora para 763 infetados no concelho. São dados do boletim publicado pela DGS.

Nas últimas 24 horas Portugal registou mais 371 pessoas infetadas e 35 vítimas mortais com Covid-19, de acordo com boletim epidemiológico diário da DGS.

O número de mortes subiu de 785 para 820 e o total de casos confirmados aumentou de 21.982 para 22.353.

O concelho da Maia, regista no boletim de hoje 763 casos das últimas 24 horas, ou seja, mais 21 doentes. Ainda assim, é de registar o esforço de contenção da pandemia, que atingiu números elevados a exemplo do que passa na região Norte, em que o número de casos ascende a 13.382 (+232), e o número de mortos atinge 475 (+21).

Nos concelhos vizinhos de Trofa há 114 (+35) casos positivos e Santo Tirso tem 280 (+23). Valongo está já com 655 infetados (+58) e Matosinhos atinge 929 (+44).

Os mais afetados pela covid19 são Porto e VN Gaia, com, respetivamente, 1099 positivos (+3) e 1161 (+95).

Redução do IVA em máscaras e gel desinfetante

O primeiro-ministro António Costa garantiu ontem no debate quinzenal que o Governo vai reduzir o IVA dos equipamentos de proteção como as máscaras e o gel desinfetante de 23% para 6% e quer todos os profissionais dos lares testados até maio. O levantamento do confinamento continua a ser pensado, mas não é consensual.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, adiantou ter intenções de melhorar o Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica, após as queixas de vários médicos. Para atenuar as diferenças na sociedade, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, avançou que os cidadãos surdos passam a contar com uma plataforma de videochamadas na Linha SNS 24.

O Centro Hospitalar de São João, no Porto, já começou a realizar testes moleculares rápidos para diagnosticar, em menos de uma hora, casos de infeção do novo coronavírus.

Cerca de 300 lares em Portugal têm casos confirmados de Covid-19 e os familiares dos utentes queixam-se da falta de informação.

O antigo ministro Adalberto Campos Fernandes defende o estabelecimento de “lotação máxima” para serviços e pediu uma maior união em torno do SNS nesta fase de pandemia, apelando a mais investimento e menos restrições orçamentais.