“E não seria ninguém sem os outros bons profissionais que me rodeiam”

0
468
- Publicidade -

Nascido em Valpaços, o empresário António Ambrósio veio estudar com 17 anos de idade para o Porto.

Depois do serviço militar começou a trabalhar nas Tintas Marilina, que mais tarde viria a comprar e a associar ao Grupo Tintas 2000, com sede na Maia e 32 delegações em todo o país. O segredo do sucesso? Para António Ambrósio não há dúvida que reside no rigor da gestão, que gerou “confiança” no mercado.

A Tintas 2000 tem 37 anos de existência e de “resultados positivos, 37 anos de cumprimento com toda a gente”, refere com convicção e uma ponta de vaidade. Mas António Ambrósio salienta que é, acima de tudo, “uma obrigação” referir este lastro de confiança conquistado com afinco, pois entende que faz parte de um conjunto de referências de um empresário com ‘E’ maiúsculo ser cumpridor e referência de confiança no mercado. “As empresas só têm razão de existir se apresentarem lucros”, sublinha, caso contrário, o mundo dos negócios não era mais que um conjunto de “bons rapazes”…

O Grupo Tintas 2000 tem atualmente quatro empresas e 32 delegações em todas as regiões do país. Tudo começou na Zona Industrial da Maia num armazém com apenas 1.250 metros quadrados (foi a terceira empresa a instalar-se na Zona Industrial da Maia), mas hoje o conjunto empresarial soma mais de 30 mil metros quadrados.

 

Grupo Tintas 2000 já com 4 empresas e 32 delegações

 

Neste momento, o Grupo Tintas 2000 detém as empresas: Tintas 2000, Tintas Marilina, Ambrósio & Filha e Norticor. O Grupo adquiriu recentemente esta que é uma empresa “importante na área do mobiliário de madeira”.

Enquanto as outras empresas do Grupo têm fabrico próprio, com a Norticor “somos importadores e distribuidores exclusivos em Portugal da marca italiana Sirca, que é uma referência mundial nos produtos para acabamento de móveis. A empresa era de quatro sócios, três portugueses e um italiano, sendo que adquirimos 100% do capital social”.

Assim, o que acontece agora é que com esta aquisição “somos indiscutivelmente os maiores fornecedores de produtos para acabamentos de móveis do país. Esse espaço agora é nosso e toda a gente gosta de ser os primeiros em qualquer setor”. António Ambrósio mostra-se satisfeito com este rumo de crescimento do Grupo empresarial na sua alçada, considerando ser um bom momento para os seus negócios.

António Ambrósio lembra a importância dos governantes apoiarem o mundo dos negócios, pois “o negócio é que dá segurança às empresas, ao país e ao mundo”. Ainda assim, acrescenta, os “homens de negócios” não fazem crescer as empresas sozinhos, “as pessoas são todas muito importantes, o que seria dos homens de negócios, mesmo retos e sérios, se não tivessem uma boa retaguarda com bons técnicos e bons executivos. É fundamental. E aqui, é essencial salientar que, na Maia, fala-se muito em mim quando se fala nas Tintas 2000, mas eu não seria ninguém sem os outros que me rodeiam”.

 

Bons profissionais

 

O empresário reconhece que teve o “mérito” de se rodear “de algumas pessoas que hoje têm muita importância no Grupo, de as preparar convenientemente”, ao ponto de falar com tanto orgulho da sua equipa e de, por vezes, outros empresários comentarem que “nas Tintas 2000 deve ser tudo uma maravilha”.

Logicamente, nem todos os 215 colaboradores do Grupo Tintas 2000 são “muito bons ou excelentes”, mas a verdade é que, como empresário, teve sempre a preocupação de fazer sobressair o que há de positivo nas pessoas, de as motivar para a inserção numa “cultura muito própria” que criou nas empresas.

Para este propósito contribuiu muito a edição do livro “O Bom Profissional”, editado em 2010. Nele, António Ambrósio compilou 212 frases, com a sua perspetiva das caraterísticas de um bom profissional. Onde se pode ler, entre muitas outras, as frases: «O Bom Profissional fala bem mas ainda faz melhor»; «O Bom Profissional sabe para onde vai e quer ir longe».

E para que um profissional seja bom há valores que devem estar sempre presentes. Valores esses que caraterizam o empresário. E são eles o conhecimento, o trabalho, a disponibilidade, a honestidade, a simplicidade, o espírito de servir, o compromisso e a racionalidade. O segredo para o sucesso de um Grupo, que emprega mais de 200 pessoas, parece simples, basta “fazer aquilo de que se gosta e entregar-se apaixonadamente ao projeto”.

Uma afirmação que António Ambrósio segue à risca. Trabalha muito, mas garante que o faz com emoção, só que “nunca desligo”, como confessa no segundo livro, publicado em 2015, “A Razão do Sucesso de António Ambrósio, escrito pela Diretora da Qualidade e Marketing, engenheira Sandra Carmelo.

 

Empresário focado no futuro com referências de pessoas que admira

 

Querendo sempre mais, aos 70 anos o empresário quer continuar a lutar, juntamente com a filha, Ana Ambrósio, pelo crescimento das empresas que dirige e pela notoriedade do Grupo Tintas 2000.

No plano político este empresário que gosta “dos maiatos e de viver na Maia”, um dos concelhos em que se registam os maiores valores de exportação nacional, é militante do Partido Social Democrata (PSD) e é este que irá deter as suas grandes atenções nos próximos tempos. É tempo de mudança e de encontrar um novo caminho, que com toda a certeza, frisa António Ambrósio, passará pela liderança de Pedro Santana Lopes, um “ser superior”.

O empresário afirma não ter dúvidas sobre os dois candidatos à liderança do PSD, “são dois homens fortes e cada um com o seu valor, mas se fosse para eleger o ministro da Economia, votava de imediato em Rui Rio. Eu sou apoiante de Santana Lopes desde que há mais de 20 anos quando ele se candidatou no Congresso do Coliseu dos Recreios, ainda muito jovem. Sempre achei muito interessante nele a sua invulgaridade, no conhecimento e na sua maneira de estar. Fui acompanhando a carreira dele, ele tinha alguns incondicionais apoiantes e eu sou um deles. Mas a maior parte dos notáveis era contra ele. De um momento para o outro, agora, apareceram aí muitos apoiantes do Santana Lopes, mesmo alguns que se referiram a ele no passado de forma menos elevada”.

Para António Ambrósio, Santana Lopes faz parte de um conjunto de três pessoas que considera “seres superiores”. A outra pessoa que estava a um nível superior, para António Ambrósio, era “o Prof. Vieira de Carvalho. Onde ele chegava, mesmo a uma sala com 200 pessoas, todos se calavam. Todos o ouviam com veneração”.

O empresário nunca se cansa de referenciar que José Vieira de Carvalho foi “uma das pessoas” que mais o influenciou na vida, “há pessoas tão diferentes que entram na nossa vida de uma maneira, que depois as coisas acontecem, a influência foi tão grande em mim! Nalgumas conversas que tivemos, ele indicou-me o caminho, era um homem de grande visão, verdadeiramente superior, na sua postura, inteligência, capacidade de gestão. Basta dizer que foi ele que construiu esta Maia quase do zero”.

A admiração a Vieira de Carvalho continua a ser constante, ao ponto de António Ambrósio admitir nesta entrevista que é uma das pessoas de que se lembra todos os dias, tal como se lembra da sua mãe e do seu filho.

- Publicidade -