“O Amanhã da Criança” tem novos desafios para o futuro

0
406

Há cerca de 30 anos a comandar os destinos da Associação de Solidariedade Social “O Amanhã da Criança”, em Águas Santas, José Manuel Correia assumiu no passado fim-de-semana mais um mandato como presidente da direcção da instituição fundada a 12 de Abril de 1975.

A tomada de posse do dirigente e restantes elementos que constituem os corpos sociais da associação contou com a presença, entre outros, do presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, do presidente da Junta de Freguesia de Águas Santas, António Teixeira, e de Sandra Lameiras, representante da Governadora Civil do Porto, Isabel Oneto.

Após efectuar uma breve retrospectiva sobre o nascimento da instituição e o seu desenvolvimento ao longo dos seus quase 34 anos de existência, José Manuel Correia falou do futuro e dos novos desafios que se colocam à direcção que tomou posse.

Com mais de três centenas de utentes, a associação dispõe das valências de creche para 30 crianças, jardim-de-infância que acolhe 115 crianças, ATL com 100 utentes, Centro de Dia com 50 idosos e presta apoio domiciliário a mais 50 idosos.

Em consequência da introdução do prolongamento do horário escolar e das Actividades de Enriquecimento Curricular que, de acordo com José Manuel Correia, veio reduzir a procura do serviço de ATL, foi necessário encontrar uma alternativa que não implicasse o despedimento dos funcionários afectos ao serviço.

A solução encontrada, e porque é também uma necessidade da população, foi alargar o serviço de creche/berçário para mais 50 crianças, no edifício onde até agora, funcionavam apenas os serviços administrativos e ATL. “Temos de reformular o edifício número três, o amarelo, para dar resposta a uma necessidade que se sente cada vez mais e aliviar um pouco o ATL que começa a ter menos procura. Vamos ter de transformar o rés-do-chão em instalações para berçário com capacidade para mais 50 crianças”, anunciou.

O futuro da associação passam ainda por outras “duas grandes obras” – um lar para 60 idosos e uma unidade privada de saúde com 50 camas. Ambos os equipamentos vão ser construídos no terreno situado nas traseiras da associação. “São obras de extrema necessidade e que nós sentimos no dia-a-dia”, sublinhou o presidente da direcção.

A faixa etária média dos utentes do centro de dia é de 82 anos, sendo que a maior parte, quando não está no centro, vive isolada e sem apoio familiar, de acordo com o dirigente.

“Estas pessoas que tanto trabalharam para este país têm o direito e nós temos o dever de lhes criar condições para terminarem os seus dias com dignidade”, argumentou. Daí a aposta na construção de um lar para 60 idosos.

O projecto já deu entrada na Câmara Municipal da Maia e no Centro Distrital da Segurança Social, e foi sujeito ainda a uma candidatura ao Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

Fundação Gulbenkian apoia área da saúde

Em fase final está o projecto de construção de uma unidade de saúde privada com capacidade para 50 camas, sendo que 17 a 20 camas ficarão afectas aos cuidados de saúde continuados ou paliativos. “As restantes camas ficarão disponíveis para a medicina tradicional e algum tipo de patologias mais rentáveis”, referiu José Manuel Correia. A ideia é que a unidade se dedique também a outras áreas da medicina, como a medicina tradicional e cirurgia estética, áreas mais rentáveis, de forma a “compensar” os custos decorrentes das actividades do lar e dos cuidados de saúde continuados. Um investimento que está orçado em cerca de cinco milhões de euros. O presidente da direcção da associação “O Amanhã da Criança” conta já com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian para a instalação do equipamento da unidade de saúde. Mas antes é necessário encontrar apoios e garantir os meios financeiros para avançar com a construção do edifício.

Fernanda Alves

(Notícia a desenvolver na edição de amanhã de Primeira Mão)