O Zoo da Maia vai crescer

0
225

Por fim, depois de muitos anos de debates, discussão, ideias, propostas, avanços e recuos, foi assinado, no salão nobre da Junta de Freguesia da Maia, no passado domingo, o protocolo de cedência de terrenos para a expansão do jardim zoológico da Maia. Ao todo, o espaço vai ganhar 10 mil metros quadrados.

Um dia marcante numa obra com mais de 20 anos. Desta forma, o espaço do zoo vai triplicar e as condições dos animais vão ser melhoradas. Para evitar problemas do passado, o zoo teve de reduzir o número de animais e modificar os habitats das espécies. Durante a assinatura do protocolo, foi recordada a génese do espaço. O crescimento vai ser agora acompanhado por técnicos e ambientalistas para prevenir contrariedades.

Veja o vídeo:

No salão nobre os discursos foram curtos. A imagem tomou o lugar das palavras durante a intervenção do presidente da Junta de Freguesia da Maia, Carlos Teixeira. Foram projectados alguns filmes que retratam a história do zoo. Um deles filmado em 1994, por ocasião do décimo aniversário do espaço que começou, em 1984, como uma aventura de "três jovens que foram a Lisboa buscar uns primatas e algumas aves". Depois da assinatura do protocolo, seguiu-se uma visita informal pelo espaço do zoo.
Agora uma realidade, o alargamento vai trazer nova vida ao jardim zoológico da Maia. Uma das novidades é o espaço de quarentena, essencial para o funcionamento do recinto. O espaço já esteve em risco de encerramento por várias vezes, mas esse cenário foi afastado pelo presidente da Junta de Freguesia da Maia e responsável pelo zoo, Carlos Teixeira. "Não se pode chumbar uma coisa que está bem", adiantou. Carlos Teixeira disse estar na posse de "um relatório das coisas que estavam mal" e, neste momento, "99 por cento dos problemas já estão corrigidos". Desta forma, o responsável máximo pelo zoo garante que o recinto "já tem todas as condições para ser legalizado".

Novos animais

Agora, as prioridades de intervenção são várias, a começar pelo problema da idade da população animal. Os hóspedes do zoo estão envelhecidos e é necessário substituir a fauna. O presidente da Junta de Freguesia da Maia e director do zoo adiantou que vai ser necessário "aguardar pelo extermínio de alguns animais para serem substituídos por outros mais jovens". O zoo vai receber, desta forma, novos animais, que terão de passar, de forma obrigatória, pelo novo espaço de quarentena, uma das novidades do alargamento do zoo. "Embora a não construção do espaço de quarentena não inviabilize a aprovação do zoo, trata-se de algo muito importante para podermos receber mais animais", disse Carlos Teixeira. O projecto para esta nova valência do zoo da Maia já está aprovado e as obras vão começar em breve.

Além de trazer a quarentena, o aumento vai permitir a dispersão de animais, o que vai garantir a melhoria dos habitats. Do que já existe, Carlos Teixeira espera melhorar as condições do espectáculo das "Foquinhas da Maia". Há muitos anos a deliciar os mais (e menos) pequenos, os animais marinhos da Maia estão à procura de um melhor espaço. Algo que Carlos Teixeira acredita ser possível numa fase posterior. O responsável pelo zoo quer "aumentar o número de animais marinhos e tornar o espectáculo mais rico".
Ligado ao zoo desde o início, o presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, lembrou que "o betuminoso que está aqui no chão foi cedido por mim", ainda antes de entrar na autarquia maiata, altura em que o actual presidente era responsável por uma empresa de construção civil. O autarca estima que o custo da intervenção se situe perto dos 500 mil euros. A negociação da nova obra "demorou bastante tempo", mas já é uma realidade. Bragança Fernandes salientou a importância da obra num espaço que "é um dos ex-libris da Maia", pelo qual passam cerca de 700 mil pessoas por ano, um número "próximo do zoo de Lisboa". Relembrou os períodos difíceis do zoo e afirmou ser "uma pena" o hipotético fecho do espaço. Recordou ainda as "pedras" que "atiraram ao zoo": "Ainda bem que Carlos Teixeira não tem telhados de vidro", disse. Deixou ainda os parabéns a todas as pessoas que tornaram possível a sobrevivência do zoo da Maia.

Novos espaços

Depois da assinatura do protocolo inaugurou-se, no espaço do zoo, um jardim infantil e um novo parque de merendas. A cerimónia terminou com um almoço servido no restaurante do jardim zoológico, onde estiveram presentes várias figuras da vida maiata.