Operação “Um Gesto. Duas Causas” já juntou 184 toneladas de tampinhas

0
128

A Lipor entregou esta quarta-feira, o material resultante da quarta fase da Operação Tampinhas – "Um Gesto. Duas Causas", que decorreu entre Maio e Dezembro de 2008.

Foram recolhidas 57 toneladas de tampinhas, o equivalente a 43 mil euros. Verba que permitiu a aquisição de 143 equipamentos que foram distribuídos por 38 entidades localizadas dentro e fora da área de influência da Lipor.

Nas quatro fases, foi possível recolher 184 toneladas de tampinhas, que correspondeu a uma verba de 125 mil euros gastos em 494 equipamentos distribuídos por 109 entidades.

A primeira fase arrancou em 2006, tendo decorrido entre Abril e Outubro. Durante a campanha, foram recolhidas apenas 15 toneladas de tampas, o que representou nove mil euros em equipamentos distribuídos por seis entidades. Desde então, os números têm vindo a crescer de ano para ano, resultado de uma maior sensibilidade dos cidadãos para a separação dos materiais, salientou o presidente do Conselho de Administração da Lipor, Macedo Vieira. “Ao longo destes anos foi possível fazer perceber às pessoas a importância da reciclagem e diminuir os custos de produção de novos produtos, numa altura em que se fala da problemática do petróleo, dos custos de funcionamento da Lipor e do custo que, depois, isso é revertido na factura dos munícipes”, sublinhou Macedo Vieira. Por isso, o administrador diz que “sem os cidadãos, não é possível fazer a reciclagem”. Para além disso, os números da operação são apenas uma amostra do que a Lipor consegue reciclar. “Todos os anos temos conseguido aumentos de dois dígitos, o que é muito bom. Os cidadãos já perceberam a importância e a dimensão da problemática económica do que é o tratamento de resíduos”, destacou o presidente do conselho de administração da Lipor, que apelou à continuidade da iniciativa, se possível, com uma dimensão ainda maior, de forma a ajudar um cada vez maior número de instituições.

Núcleo da Maia da Cruz Vermelha Portuguesa, Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson, Bombeiros Voluntários de Pedrouços e Igreja Baptista da Paz, foram as quatro entidades do concelho da Maia contempladas nesta quarta fase da Operação Tampinhas.

As instituições beneficiadas foram seleccionadas pela análise dos pedidos que a Lipor recebeu durante o período em que decorreu a quarta fase da campanha, e tendo por base os critérios definidos no Regulamento Operação Tampinhas.

Equipamentos reforçam intervenção das instituições

Apesar de já ter participado na recolha de tampinhas, foi a primeira vez que o núcleo da Maia da Cruz Vermelha Portuguesa foi contemplado com a entrega de equipamentos, que deste modo, vêm reforçar a sua intervenção junto da comunidade. Foi dotada de uma cama articulada e de três cadeiras de rodas, de acordo com o presidente da direcção, Nogueira dos Santos. “Vem aumentar a nossas possibilidades de participação junto dos mais carenciados, no sentido de facilitarmos a colocação de cadeiras e camas articuladas em casos mais necessitados. É uma mais valia que temos, graças a esta iniciativa da Lipor”, referiu aquele responsável.

A corporação dos Bombeiros Voluntários de Pedrouços foi dotada de um equipamento de protecção individual, composto por capacete, luvas, cógula, casaco, calça e botas. A corporação solicitou mais equipamentos individuais, uma vez que é uma das suas principais necessidades. Mas recebeu apenas um, o que não deixa de ser uma ajuda importante. “É muito útil para nós, porque é o único equipamento completo que temos para intervenção em fogos. É o único conjunto completo que permite a um homem lançar-se mais para o perigo e para o risco, porque está mais protegido”, explicou o comandante da corporação de Pedrouços, Domingos Brites.

A Delegação Norte da Associação de Doentes de Parkinson, que desde há um ano está instalada no piso 2 do edifício municipal que acolhe a PSP de Águas Santas, recebeu dois andarilhos de rodas, uma cadeira de liga leve, um andarilho articulado, uma cadeira de banho giratória e um nebulizador. Os novos equipamentos vêm dar um contributo importante ao trabalho que a associação desenvolve juntos dos doentes com Parkinson. “Os nossos associados têm várias dificuldades em termos de movimentos. Vamos emprestar estas ajudas técnicas para facilitar o seu dia-a-dia. Alguns destes aparelhos vão estar também presentes durante as nossas actividades para disponibilizar aos utentes com dificuldades de movimento, de forma a garantir a presença de muitos mais associados nas nossas actividades”, sublinhou a delegada da associação, Catarina Jácoma.

Por último, a Igreja Baptista da Paz, a única entidade que não se fez representar na cerimónia de entrega dos donativos, recebeu um elevador e uma cadeira de banho giratória.

Fernanda Alves