PARES III vai apoiar quatro projectos de apoio à primeira infância na Maia

0
225

A terceira fase do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (PARES) contemplou o financiamento de quatro projectos de âmbito social, no concelho da Maia.

Os projectos em causa são da Associação de Solidariedade Social da Mouta Azenha Nova (ASMAN) em Gueifães, o Centro Social e Paroquial de Águas Santas, a Santa Casa da Misericórdia da Maia e a Fundação Pão de Açúcar Auchan. Esta terceira fase do programa destinava-se a apoiar projectos de apoio à primeira infância, e foi criada tendo como alvo as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto de forma a aumentar a rede de cobertura. No passado sábado, foram assinados os primeiros contratos desta terceira fase, onde se incluem os projectos para o concelho da Maia. Em breve deverão ser assinados mais contratos, de acordo com o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Ao todo, foram aprovadas mais 14 candidaturas.

O Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva, aproveitou para anunciar a abertura de mais um concurso, “muito brevemente” , e que terá como prioridades o apoio a equipamentos sociais da área do Programa Operacional de Potencial Humano. Para o efeito, foi aberta uma linha de apoio de 20 milhões de euros, que possibilitará um investimento global na ordem dos 40 milhões de euros, e que beneficiará cerca de 500 equipamentos da rede social.

Os projectos da Maia…

O projecto da Santa Casa da Misericórdia da Maia vai nascer da recuperação de um antigo edifício, na Ponte de Moreira. A creche terá capacidade para acolher 58 crianças. É um projecto do arquitecto Abel Fernandes, irmão da Misericórdia da Maia. “Está um projecto muito interessante, com duas salas para os dois anos, duas para um ano e um berçário”, adiantou Maria de Lurdes Maia, provedora da Santa Casa da Misericórdia da Maia. O prazo de execução da obra é de 24 meses.

Relativamente ao projecto do Centro Social e Paroquial de Águas Santas, destina-se à reconversão do espaço de ATL em creche, com capacidade para 58 crianças.

A ASMAN também viu garantido o financiamento por parte do Estado para creche, uma das valências do edifício que está a ser construído em Gueifães, nos terrenos da antiga Quinta do Cirurgião. Terá capacidade para 66 crianças.

A Fundação Pão de Açúcar Auchan, apontada pelo ministro Vieira da Silva como um exemplo a seguir pelos privados, prevê construir na Maia, junto ao futuro centro comercial que resultará da expansão do actual hipermercado Jumbo, um equipamento com as valências de creche e jardim-de-infância. O financiamento do PARES destina-se apenas à valência de creche. O projecto insere-se num programa mais vasto, de acordo com o presidente da fundação, Artur Almeida e Silva. “Queremos abrir creches e jardins-de-infância noutros locais onde temos as nossas lojas. No caso concreto da Maia, é um dos dois equipamentos que temos previsto para a área do Grande Porto. O outro será em Matosinhos”, adiantou.

O equipamento de apoio à primeira infância beneficiará, em primeiro lugar, os colaboradores e trabalhadores do hipermercado e futuro centro comercial e de outras unidades vizinhas. “Ficará também aberto às famílias da comunidade, embora, naturalmente, a prioridade vai ser dada aos colaboradores do grupo e de parceiros comerciais”, esclareceu Artur Almeida e Silva. A obra terá um prazo de execução de 24 meses.

Fernanda Alves

(Notícia desenvolvida na edição desta semana de Primeira Mão)