Pólo de indústrias criativas no Tecmaia

0
135

“Edifício das Ideias Digitais” é como se vai chamar o futuro pólo de indústrias criativas do concelho da Maia. O projecto está prestes a nascer no Tecmaia – Parque de Ciência e Tecnologia da Maia, nas imediações do edifício correspondente à segunda fase de expansão do parque e recentemente inaugurado pelo Presidente da República.

Com um investimento previsto de seis milhões de euros, foi alvo de uma candidatura às verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), no âmbito do Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica.

 

Assim que chegar a resposta à candidatura, arranca a construção deste “Edifício das Ideias Digitais”. O espaço, com cerca de oito mil metros quadrados, vai contemplar as componentes de incubação e pré-incubação. Algo que o director-geral do Tecmaia diz ser “muito raro em Portugal”. Aliás, “penso que não existe nenhum projecto com estas características”.

O intuito é ali instalar empresas de áreas como o design e os media, acrescentando Mário Nuno Neves, no blogue “Cidadania Maia”, que abarcará  sectores que vão do “design à arquitectura, da joalharia à produção web, da música à edição, do desenvolvimento de software às artes performativas”.

Estima António Tavares, que as empresas se possam começar a instalar “no prazo de um ano, um ano e meio”, depois de divulgar os regulamentos a diversas entidades, para captar os projectos.

Ouça as declarações de António Tavares:
[audio:VALORES.mp3]

Dependendo da sua dimensão, este pólo de indústrias criativas deverá acolher até 50 entidades.

Para além do Tecmaia, estão envolvidas no projecto a Câmara Municipal da Maia e a empresa municipal Academia das Artes da Maia- Produções Culturais, através da MaiaInova – Associação para a Inovação e Desenvolvimento do Concelho da Maia. O vereador do pelouro da Cultura da autarquia maiata e presidente do conselho de administração da empresa municipal, admite que este pólo é “uma necessidade geral dos criadores por todo o país”. Mas ainda mais em contexto de crise.

Ouça as declarações de Mário Nuno Neves:

[audio:INDUSTRIAS_CRIATIVAS.mp3]

Marta Costa