Programa “Eu e a Minha Reforma”: abertas inscrições

0
324
Teleassistência
Foto Arquivo PM
- Publicidade -

Procurando combater o défice de literacia financeira e digital de pessoas com mais de 55 anos, o programa “Eu e a Minha Reforma” é um projeto inovador fruto de uma parceria entre a Fundação Dr. António Cupertino de Miranda e os municípios de Matosinhos, Maia, Porto, Santo Tirso, Valongo e Vila Nova de Gaia. 

O Município da Maia começará a sua 3ª edição, a 6 de abril e terminará a 13 de maio.

As inscrições já estão a decorrer, são gratuitas e estão abertas a adultos com idade igual ou superior a 55 anos. Os interessados poderão inscrever-se junto da Fundação Dr. António Cupertino de Miranda através do telefone 226 101189, ou pelo e-mail eueaminhareforma@facm.pt.

O programa prevê a realização de várias iniciativas, entre as quais se destacam os “Laboratórios de Educação Financeira”, que acontecerão sob a forma presencial ou online, entre outubro de 2020 e dezembro de 2022 e contarão com a participação de entidades externas, tais como a Associação Portuguesa de Seguradores, o Banco de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e a PricewaterhouseCoopers.

“Tudo o que se aprende é sempre útil, pois o saber não ocupa lugar. O programa ‘Eu e a Minha Reforma’ relembrou-me as minhas antigas funções, bancária, mas gostei sobretudo das dicas, como o orçamento mensal e anual, o que me permite planificar melhor as minhas despesas”.

Testemunhos de participantes:

“O programa ´Eu e a Minha Reforma´ é bastante interessante. A rubrica orçamento familiar permite-nos aprender a acompanhar diariamente os nossos gastos evitando situações de endividamento. Ajuda-me a comparar quais as minhas receitas e as minhas despesas”.

“Aprendi muito, sobretudo a lidar com os bancos, a fazer as perguntas certas. O tema Seguros foi também bastante útil, uma vez que passei essa informação aos meus filhos”.

Estes são alguns dos testemunhos da iniciativa. O projeto “Eu e a Minha Reforma” é apoiado pela Portugal Inovação Social, através do Fundo Social Europeu.

Para além disso, os seniores “passaram a empregar com mais frequência diferentes estratégias de poupança e gestão de dinheiro, como a elaboração de um plano de gestão ou a utilização de uma aplicação digital para monitorizar despesas, o que contribui largamente para uma gestão mais eficaz e eficiente do seu dinheiro e, arriscamos dizer, da sua qualidade de vida”, explica Alexandra Serra, responsável pela coordenação do estudo de medição de impacto social do projeto.

Saiba mais sobre o projeto:

- Publicidade -