Recolha de resíduos "mais justa"

0
52

"Pay as you throw". O conceito introduz o conceito de poluidor-pagador. Significa que cada produtor de resíduos paga o serviço que necessita, com penalizações a quem polui mais e separa menos. A ideia não é nova e está disseminada por toda a Europa. No âmbito deste tema, a Maiambiente promoveu um workshop no âmbito da Semana Europeia da Redução de Resíduos em que se debateram modelos de actuação e se apresentaram alguns estudos de caso do que já está a ser feito noutros países. Durante todo o dia 26 deste mês, o pequeno auditório do Fórum da Maia recebeu técnicos, experiências, ideias e conclusões relacionadas com o princípio de poluidor-pagador.

"Admitindo que os clientes querem pagar o menos possível, também vão produzir a menor quantidade de resíduos possível", revela o director geral da Maiambiente, Carlos Mendes. Um dos objectivos do modelo "Pay as you throw" é a redução de resíduos, mas também incentivar o poluidor a separar o lixo. Segundo o responsável pela empresa municipal, com o novo modelo "pretende-se diminuir a produção de resíduos, mas também aumentar a quantidade de resíduos enviados para reciclagem".

O objectivo do workshop "era fazer o ponto de situação das empresas ligadas ao sector, partilhando experiências que tenham vivido, identificando vantagens e inconvenientes, motivos de sucesso ou de fraqueza que foram implementados, e passar essa informação a outras câmaras e empresas". No workshop, chegou-se à conclusão de que "não é preciso inventar um sistema novo para o município da Maia, o que é importante é conhecer o sistema tecnológico mais adequado e, aqui e ali, fazer uma adequação à realidade de cada caso".

Estes novos modelos de recolha de resíduos vão de encontro "ao decreto-lei que foi aprovado há pouco tempo que, de alguma forma, força as câmaras a criarem sistemas de cobrança de uma tarifa que suportem os custos reais do serviço", avança Carlos Mendes. A cobrança das taxas de recolha de resíduos "aparece" nas facturas da água e este modelo "Pay as you throw" permite "conseguir medir de uma forma directa a quantidade de resíduos que cada cidadão produz, e assim é um sistema mais justo".

O pequeno auditório do Fórum da Maia tornou-se ainda mais pequeno para receber técnicos municipais, responsáveis autárquicos assim como representantes do sector académico, num total de 130 participantes. "Temos cá um pouco de tudo, mas essencialmente são técnicos", revela Carlos Mendes. O responsável acrescenta ainda que "é importante que as entidades políticas também estejam presentes, porque são eles que vão aprovar as propostas feitas pelos técnicos", conclui.