Rui Redol oferece cerca de 30 sopas diárias pelo ‘Sopa para Todos’

0
201
Rui Redol_foto A. Santos
- Publicidade -

Rui Redol é empresário na área da restauração há 40 anos. Depois de ter ajudado voluntariamente muita gente, no início da pandemia, com almoços gratuitos, continua a distribuir cerca de 30 sopas diárias à porta do seu restaurante no Castelo da Maia.

Rui Redol já distribuía sopas gratuitas à porta do seu restaurante (Ferradura), com pão e fruta, por iniciativa própria. Mas, a certa altura, uma amiga do empresário, que integra a associação Anjos Amigos, deu-lhe a conhecer o projeto nacional ‘Sopa para Todos’. Rui inscreveu o restaurante no projeto e, atualmente, são distribuídas cerca de 30 sopas por dia. É o único estabelecimento da Maia registado na plataforma Sopa para Todos.

Sopas, que Rui Redol completa com pão e fruta, em regime take-away. Qualquer pessoa pode comprar e doar uma sopa por 1,50€ através de MBWay, e quem precisa, pode levantar a sopa sem dar explicações.

Afinal, frisa Rui Redol, “quem pede é porque precisa, não tem que se explicar”.

A ‘Sopa para Todos’ é um movimento nacional que visa “contagiar mais e mais pessoas a ajudar a reerguer a restauração ao mesmo tempo que ajudamos a combater a fome das famílias que mais perto de nós vivem”.

Como pode ajudar? Deixe uma sopa/refeição paga num estabelecimento aderente para que quem precise e não tenha possibilidade de adquirir a possa levantar.

Precisa de ajuda? Contacte diretamente um restaurante aderente ou pede apoio à comunidade para chegares a um restaurante perto de ti para que possas contactá-lo e reservar a tua sopa/refeição.

Recuando para o início do primeiro confinamento, Rui Redol foi surpreendido pela pandemia e viu-se obrigado a fechar as portas do restaurante. Estávamos em março de 2020. Foi então que decidiu ajudar os mais carenciados através da doação de almoços.

“Na altura, calculei que fossem 20 ou 30 pessoas. Contactei alguns amigos, que me poderiam ajudar. Disse-lhes que não queria dinheiro, preferia que cada um trouxesse alguma coisa, um traz o arroz, outro a massa, outra a fruta, enfim…todos se voluntariaram. Até a maioria dos meus funcionários, que estavam em lay-off, vieram como voluntários. Avançamos passados dias. Os meus amigos dos Anjos Amigos também vieram ajudar a distribuir ao almoços. E logo no primeiro dia servimos 60 a 70 pessoas. Nos dias seguintes disparámos para 140 refeições diárias”, contou Rui Redol emocionado.

Com a ajuda da paróquia de Santa Maria de Avioso, da Junta de Freguesia do Castelo da Maia, de alguns empresários locais e ainda da Câmara Municipal da Maia, ao todo, o restaurante Ferradura doou mais de 2.600 almoços em apenas um mês.

“Aguentámos isto durante um mês. Depois pusemos um travão porque já estavam a aparecer pessoas de outros concelhos e começámos a pedir às pessoas uma declaração da Junta de Freguesia do Castelo da Maia”, explicou o empresário de restauração.

Rui Redol não esconde a alegria de poder amparar os mais carenciados, afirmando que aqueles que já ajudou “quando me encontram na rua tratam-me pelo nome, cumprimentam-me sempre e dão-me um abraço. Isso é o meu grande agradecimento”.

“quando me encontram na rua tratam-me pelo nome, cumprimentam-me sempre e dão-me um abraço. Isso é o meu grande agradecimento”.

- Publicidade -